Aguiar e Porta jogaram juntos no River Plate do Uruguai, entre 2000 e 2003, mas foi como adversários, quando o primeiro já representava o Rampla e o segundo continuava no mesmo clube, que privaram nas últimas épocas e a actual não vai ser excepção. «Na primeira volta, não cheguei a jogar. Agora, espero que seja diferente», afirma o academista, ciente de que, desta vez, pode é acontecer o oposto já que Porta tem sido pouco utilizado por Jaime Pacheco

Mas se os antigos colegas e adversários se encontrarem no campo, o irmão de Luís Aguiar (Sp. Braga) promete fazer uma festa e quer ficar com uma recordação deste momento: «Depois do jogo, vamos colocar a conversa em dia e trocaremos de camisolas.»

No país natal, Carlos Aguiar lembra-se do último confronto entre ambos, que terminou com uma vitória por 3-1, para o agora jogador da Briosa, sem que nenhum deles tivesse feito o gosto ao pé. «Especial? Sim, é especial porque a Académica, se ganhar, pode conquistar a manutenção», ressalva o médio uruguaio.