No dia 3 de março de 2012, o Arsenal visita Anfield e o Liverpool com um jovem guarda-redes polaco na baliza, de nome com grafia e pronúncia difícil. Wojciech Szczesny [Voicherr Shtencêni, ou qualquer coisa parecida]. Aos 21 anos, é a aposta inicial há vários jogos de Arsène Wenger, que mais uma vez vê os rivais a correrem para o título, neste caso o Manchester City a chegar primeiro e o rival United na perseguição.

Apesar da aposta, Wenger ainda não está completamente satisfeito com as prestações de Szczesny. Ao fim de três penáltis não defendidos, o treinador chega mesmo a criticar o guarda-redes pela falta de inspiração. Na visita a Liverpool é importante vencer. O Arsenal tem como mínimo o terceiro lugar e a qualificação para a Liga dos Campeões, e faltam 11 jornadas para o fim da Premier League.

Os Gunners entram mal no jogo, e aos 18 minutos Szczesny é obrigado a deixar os postes para tentar travar Luis Suárez. Mark Halsey não tem dúvidas sobre o derrube, apesar da habitual teatralidade do uruguaio, e aponta para os 11 metros.

Dirk Kuijt, Kuyt para os ingleses, encarregou-se da conversão. O holandês segue, como quase sempre ao longo da carreira, bem decidido para o pontapé. Neste caso, dadas as palavras do treinador, a angústia deverá ser bem maior para o guarda-redes do que para o avançado.

Só que Szczesny, que dança sobre a linha de um lado para o outro, também não é assaltado por qualquer dúvida e lança-se rapidamente para a direita, defendendo com a mão direita para a frente. A bola ressalta à frente da área e, mais uma vez, Kuijt parece decidido a fazer a recarga, enquanto os outros em campo apenas ainda pensam fazê-lo. O seu erro é no remate, algo ténue, a falhar bem o meio da bola. Mesmo assim, ainda parece dar.

Vem Szczesny a chegar, da direita para a esquerda, adivinhando a tapinha do holandês, e atirando para canto.

«Sim, critiquei-o e ele provou que eu estava errado. É um rapaz com um talento excecional e fez uma exibição excecional», afirmou o rendido Wenger no final.

O Arsenal ganhará em Anfield por 2-1. A um autogolo de Koscielny, quatro minutos depois do duplo-voo do companheiro polaco, respondeu por duas vezes Robin van Persie, aos 31 e já nos descontos do segundo tempo. Os Gunners, eliminados da Liga dos Campeões poucos dias depois pelo Milan, apesar do 3-0 da segunda mão em Londres (4-0 em San Siro), chegariam mesmo em terceiro lugar e qualificar-se-iam novamente para a prova milionária.

Szczesny foi jogador do Arsenal até 2017, apesar de ter ainda andado emprestado ao Brentford (na primeira época) e à Roma (na última), e agora representa a Juventus. Fez 132 jogos pelo clube londrino.

Outras anatomias:

Peter Schmeichel, 26 anos depois de Gordon Banks

Bogdan Lobont: o romeno que se travestiu de Schmeichel em San Siro

A dupla-defesa impossível de Coupet em Camp Nou

San Casillas repete o milagre dois anos depois no Sánchez Pizjuán

David Seaman a puxar a cassete atrás à beira dos 40 anos

Buffon mostra aos 20 anos os primeiros poderes de super-homem

Esqueçam o líbero, este é o Neuer de entre os postes e é do melhor que há

Holandês voador que realmente sabia voar só mesmo Van der Sar

Só Petr Cech é mais rápido do que um pensamento

Dasaev: uma cortina de ferro no último Mundial romântico

Camp Nou, agosto de 2011: a prova que Valdés era tão bom como os melhores

Ubaldo «Pato» Fillol, 1978: o voo que segura a Argentina no Mundial dos papelinhos

Dida: o voo para a eternidade do primeiro grande goleiro

Chilavert: o salto do Bulldog que nega o último golo a Maradona