«Foi proposta a selecção de mais dois atletas que, sem terem a marca de referência, deram boas indicações nos Campeonatos de Portugal. Digamos que fizeram marcas de orientação», adiantou o seleccionador de atletismo, José Barros, à Agência Lusa.

A segunda jornada da prova nacional realizou-se este domingo, em Pombal, com Rui Silva e Marco Fortes em destaque: o primeiro cortou a meta nos 800 metros ao fim de 1.49,57 minutos, enquanto o segundo lançou o peso a 19,52 metros. Outros atletas estiveram em evidência, casos de Patrícia Lopes, que bateu o recorde pessoal nos 200 metros (24,34 segundos) e Sara Moreira, que terminou os 3000 metros em 9.08,18 minutos.

O grupo já definido de dez elementos é constituído por Rui Silva e Bruno Albuquerque (1500 metros), Arnaldo Abrantes (60 metros), Marco Fortes (lançamento do peso), Patrícia Lopes (400 metros), Jessica Augusto, Sara Moreira e Inês Monteiro (todas nos 3000 metros), Maria-Eleonor Tavares e a irmã Elisabete Ansel (ambas no salto com vara).

«Há uma mistura de expectativas nestes Europeus. Há atletas muito bem colocados no ranking das provas que vão disputar e, depois, há outros como o Rui Silva, com grande experiência e currículo. Vamos lutar pelas idas às finais e, quem vai à final, vai para lutar pelo melhor lugar possível», observou José Barros.

A associação europeia (EAA) não estabeleceu mínimos de participação (com excepção das estafetas e provas combinadas), apenas fixando o limite de três atletas por país por prova.