Curiosamente, Senna era a imagem do anti-herói. Quando se sagrou tri-campeão do mundo declarou que «não se sentia importante a ponto de merecer uma festa». Todos lhe gabavam a humildade e o tom discreto e moderado nas acções. A nobreza dos gestos fica para sempre.

No dia do acidente de Ímola, por exemplo, foi encontrada no carro uma bandeira da Áustria. O piloto austríaco Roland Ratzemberger tinha perdido a vida num acidente semelhante no dia anterior e Senna preparava-se para lhe dedicar uma eventual vitória. Um problema na direcção do seu Williams negou-lhe a oportunidade.

Aos 34 anos, partia um campeão. Mas o rasto deixado em bem legível. Só doze anos após a sua morte, Michael Schumacher conseguiu bater o recorde de «pole positions», que Senna tinha fixado em 65. Ainda hoje é o piloto com mais triunfos no Grande Prémio do Mónaco: seis, sendo cindo deles consecutivos.

O acidente que abalou o mundo desportivo foi há dezasseis anos. As recordações permanecem até hoje. E neste dia, mais que lembrar o momento que levou o herói, é importante recordar a vida do mesmo. Parabéns campeão!

Uma das voltas mais célebres de Ayrton Senna:

Senna socorre um colega durante um Grande Prémio:

Senna em discurso directo:

Frases célebres de Ayrton Senna: