O caso que em Espanha já é chamado de «a não substituição» aconteceu no último quarto de hora do jogo. Messi tinha feito havia pouco o terceiro golo do Barcelona. Luis Enrique disse-lhe que ia substituí-lo.

O objetivo era o de dar-lhe descanso. O argentino contrariou a intenção do treinador e continuou no jogo. O objetivo era marcar mais golos.

Luis Enrique acabou por mandar sair Neymar para que Munir entrasse. Foi o brasileiro que acabou por ganhar minutios de descanso para o jogo desta terça-feira com o Ajax. Mas não saiu aos pulos de contente; saiu de cabeça bem baixa.

Na conferência de imprensa desta segunda-feira para lançar o jogo da Liga dos Campeões, Luis Enrique diz que «cada um interpreta como quer» o que se passou.

«Antes de fazer as substiruições costumanos perguntar sempre aos jogadores se receberam alguma pancada, se têm alguma dor. Aconteceu com o Leo [Messi], com o Neymar, com o Andrés [Iniesta] e decidimos de acordo com o que achamos», afirmou o treinador do Barcelona, como refer o jornal «Marca».

Luis Enrique comentou então que «os factos são interpretáveis» e que «cada um interpreta-os como quer». «E não me meto nisso», assumiu o técnico dos catalães: «Continuarei a fazer o tenho feito, crer muito no feeling dos jogadores e do que vejo no campo.»