Nelson

Tal como sucedeu na Choupana, frente ao Nacional, aquando da única vitória fora do Estrela, Nelson esteve em destaque no Restelo, ainda que o resultado não tenha sido o mesmo. O guarda-redes foi decisivo, pelo menos, em quatro momentos, dois deles numa fase em que o marcador ainda não registava golos. Logo aos quatro minutos defendeu um remate de Wender, após mau alívio de Ney, ao qual também esteve de estar atento; aos oito negou o golo novamente ao brasileiro, com Marcelo a atirar por cima na recarga. Aos 22 minutos, começou por travar com as mãos um remate de Zé Pedro, segundos depois negou com os pés o golo ao médio. Na segunda parte, prosseguiu a grande exibição, nomeadamente aos 57 minutos, com um cruzamento/remate de Marcelo que Nelson defendeu.

Celestino

Assistiu Anselmo no primeiro golo do Estrela aos 12 minutos, na marcação de um livre directo, marcou ele próprio o segundo num lance idêntico aos 26. Um perigo para o adversário, tanto em jogo corrido como parado.

Zé Pedro

Foi quem mais perigo levou à baliza de Nelson e teve no guarda-redes o maior obstáculo, excepto quando respondeu na mesma moeda que o adversário, reduzindo para o Belenenses na marcação soberba de um livre directo, a quatro minutos do intervalo.

Saulo

Entrou aos 51 minutos, dez depois empatou o desafio e garantiu ao Belenenses um ponto que parecia longe de chegar. Foi o único golo marcado sem interrupções, depois de um cruzamento de Silas na direita, ao qual soube dar o melhor seguimento.