«A todas as acusações que Ana Almeida fez contra Nani e Jorge Mendes, o tribunal respondeu com um rotundo não. Ficamos satisfeitos com a análise do documento porque mais uma vez nos foi dada razão. Por isso, só temos razões para estamos satisfeitos e aguardar a sentença com tranquilidade», destacou Nuno Barbosa depois da leitura dos quesitos na 3ª secção da 8ª vara do Palácio da Justiça, em Lisboa.

O advogado defende que as acusações que foram feitas contra Jorge Mendes e a Gestifute caíram por completo, tal como a generalidade das delações que foram feitas contra Nani, uma vez que a única despesa provada, num total de 91 mil euros, foi de 51 euros, relativos a um passaporte.

A única questão que ainda provoca alguma preocupação à defesa do Gestifute é a alegada cláusula de prolongamento do contrato entre Nani e Ana Almeida mas, mesmo nesse ponto, Nuno Barbosa considera que, com base nos testemunhos de António Veloso, «o jogador avisou muito tempo antes do prazo que não queria continuar com ela».

O processo segue agora os seus trâmites normais, com as partes a terem dez dias para fazer as suas alegações por escrito. Após este prazo, serão notificados para o julgamento, com data ainda a definir.