«Foi importante termos o reconhecimento da FIFA, porque mesmo hoje em dia, os adeptos em geral pensam que foi o Notts County ou qualquer outro a surgir primeiro. Não é verdade», explica o presidente Richard Timms, no início da conversa com o Maisfutebol.

O Sheffield F.C. criou um conjunto de regras que viria a ser adoptado pelos restantes clubes da Football Association, fundada seis anos mais tarde. «Quando surgimos em 1857, rapidamente surgiram mais clubes em Sheffield e em Londres, mas cada um jogava conforme as suas regras. As nossas foram as primeiras, já contemplavam a trave, o pontapé de canto, o primeiro livre. Alguns anos depois, acabaram por ser adoptada por todos», diz Timms.

Um espírito puro e amador

A cidade de Sheffield viu nascer o United e o Wednesday, clubes que avançaram para o profissionalismo e deixaram o F.C. nos escalões inferiores do futebol inglês. Nada que perturbe os adeptos do clube: «No início, os jogadores não praticavam o desporto por dinheiro. Tentámos, ao máximo, não alterar esse espírito. A nossa missão é manter o futebol no estado puro. Os nossos jogadores sempre foram amadores ou semi-profissionais.»

«Quando as pessoas nos ligam, pensam que estão a falar com o Sheffield United ou o Sheffield Wednesday. Não há problema. Temos uma boa relação com eles. Nós somos diferentes. Uma pessoa pode torcer pelo Benfica ou pelo Boca Juniors, não interessa. No fundo, terá sempre uma ligação ao Sheffield F.C., pois fomos nós a apresentar o jogo ao Mundo», lembra o presidente do emblema britânico.

Ordem de Mérito da FIFA

O Sheffield F.C. disputa actualmente a UniBond League Division, o oitavo escalão do futebol inglês. O clube mais antigo do Mundo, o detentor da Ordem de Mérito da FIFA, uma honra apenas ao alcance do Real Madrid, refugia-se na história.

«Temos actualmente 500 adeptos no estádio, quando jogamos em casa, e cerca de 1.700 espalhados no Mundo, como reconhecimento pelas nossas raízes. Há dois anos, quando celebrámos o nosso 150º aniversário, defrontámos o Inter de Milão e fomos visitados por Pelé. Isso são suficientes motivos de orgulho», considera Timms.

O clube tem sócios de enorme peso, como Sven-Goran Eriksson ou Sepp Blatter. Os Def Leppard, banda da cidade, já se associaram à causa. Nesta altura, o Sheffield F.C. tenta regressar ao terreno onde disputou os primeiros encontros e implementou as regras que viriam a criar raízes no desporto. «Seria um regresso com enorme peso simbólico. Estamos a fazer por isso. Depois, veremos o que acontece no futuro, se podemos subir mais algumas divisões. Mas nunca perderemos o nosso espírito, essencialmente puro», remata o presidente, em entrevista ao Maisfutebol.