O Maisfutebol desafiou os jogadores e treinadores portugueses que atuam no estrangeiro, em vários cantos do mundo, a relatar as suas experiências para os nossos leitores. São as crónicas Made in Portugal:

MÁRCIO SAMPAIO, FK PARTIZANI (ALBÂNIA):

«Caros amigos,

Mais uma vez vos escrevo desde Tirana - Albânia para vos dar mais uma ideia daquilo que tem sido a minha vida. Desde o ultimo texto que escrevi, muita coisa mudou. A nível pessoal, cada dia que passa mais gosto de aqui estar, sinto-me muito feliz aqui e posso dizer que me vejo a ficar na Albânia muitos anos porque realmente estou numa cidade que me deixa feliz.

As pessoas de uma forma geral sao simpáticas, apoiam-me e recebem-me de uma forma muito carinhosa e respeitosa. Tirana é uma cidade que proporciona imensos contrastes e uma das coisas mais belas que possuem aqui é definitivamente a Restauração. Comida fantástica, um peixe éptimo e eu que não comia peixe passei a adorar.

A esse propósito, deixo aqui uma foto com o meu amigo Bickey, que me tem apoiado muito, e com um conhecido chef italiano de um dos melhores restaurantes (Taverneta) de peixe por aqui, onde irei brevemente comer…tubarão!

A qualidade é acima da media. Neste momento já estou completamente adaptado à realidade albanesa, já possuo apartamento e vou iniciar as minhas aulas de Albanês com um professor espanhol, o que me vai facilitar imenso o processo de aprendizagem.

A nivel profissional, está tudo a correr bem. Depois de ter saÍdo o treinador anterior, pediram-me para ficar à frente da equipa e continuamos na luta pela Europa. Estamos em segundo lugar e faltam sete jogos para terminar. Desde que estou com a equipa, nao perdemos há oito jogos, algo que me enche de orgulho, por isso esperamos fechar o campeonato com chave de ouro.

Não escondo que nunca quis ser treinador mas tive de aceitar esta missão, sou funcionário do clube, o Presidente e os adeptos confiam em mim e obviamente que depois de ter trabalho com pessoas que me deram muito a nível pessoal mas profissional também, com quem pude aprender e hoje aplicar algumas das coisas que observei com Manuel Cajuda, Jorge Jesus, Franky Vercauteren, Jesualdo Ferreira, Oceano cruz, Dominguez, Joao Alves, dá-me algum alento para esta missão que me confiaram e esperar pelo que vem aí brevemente.

Também brevemente iremos dar inicio à construção do novo centro de estágios e iremos dotar o Partizani de condições únicas. Portanto o FK Partizani é um clube que está a dar os passos certos para o futuro e o Presidente do clube é uma pessoa que sabe muito bem o que pretende, sabe onde quer chegar e isso é importante. Estamos sempre em sintonia e ele já tem tudo pensado para a proxima época, o que é uma vantagem.

No geral, o futebol albanês até acaba por ser competitivo, sendo disputado a três voltas. Neste momento ainda não é um campeonato atractivo para grandes jogadores ou treinadores, uma vez que os salários ainda sao baixos (o ordenado mínimo nacional são 200 euros), tendo em conta aquilo que por exemplo pode receber um jogador em Portugal ou mesmo um treinador principal mas é um pais que possui bons valores individuais. As equipas estrangeiras deveriam olhar mais para este mercado porque possuímos aqui bons valores.

Descobri que não sou o único português na Albânia mas ainda não encontrei o casal de portugueses que habita aqui e trabalha num banco. Sinto imensas saudades do nosso país e espero em Maio já estar de ferias aí.

Estou imensamente contante em estar aqui e as pessoas tem demonstrado imensa simpatia. Estou no melhor clube albanês e com os melhores adeptos, que apoiam a equipa em todos os jogos, seja fora ou em casa, num campeonato extremamente dificil: de 12 equipas que descem 4!

Espero que na próxima crónica vos possa dar mais novidades.

Um abraco para todos,

Márcio Sampaio»