Bruno Magalhães terminou o segundo dia do Rali da Acrópole na Grécia, terceira prova do Campeonato da Europa de Ralis, na liderança e com uma vantagem confortável de 56,2s sobre o segundo classificado que é  húngaro Norbert Herczig.

O piloto português assumiu o comando da prova na segunda especial do dia, depois de ter sido o mais rápido num troço onde Alexey Lukyanuk, líder da prova até então, ter tido problemas com uma roda perdendo muito tempo para os seus mais diretos adversários o que permitiu a Bruno Magalhães passar para a liderança da prova.

Com Lukyanuk fora da corrida pela vitória, Bruno Magalhães passou a gerir o seu andamento, e terminou o dia na liderança da prova.

“Temos uma boa diferença para os nossos adversários. Nesta parte final do dia tinha pneus duros e perdi algum tempo por isso na parte inicial destas últimas especiais, mas na última acabei por beneficiar dessa escolha e conseguimos dilatar um pouco mais a nossa vantagem” afirmou Bruno Magalhães.

O piloto português não escondeu que esta terceira ronda do Europeu de Ralis não tem sido fácil. "Tem sido uma missão complicada de superar.  Os troços estão cheios de pedregulhos e temos de ser muito cautelosos para conseguirmos sobreviver. Nunca vi classificativas tão duras e tão traiçoeiras. As probabilidades de furar são enormes". 

 

O último dia do Rali da Acrópole tem lugar no domingo com a realização das quatro derradeiras especiais da prova. "Vamos ter de continuar a ser cautelosos. Não precisamos de correr riscos desmedidos. Vamos gerir a vantagem para mantermos o primeiro lugar. Numa prova como esta nada pode ser dado como adquirido, mas sabemos que estamos no caminho certo. Uma vitória seria excelente para nós em termos de campeonato", concluiu o Vice-Campeão em título ciente das dificuldades que ainda vai ter de  enfrentar.