Vale e Azevedo condenado a 10 anos de prisão

Terá de indemnizar o Benfica em mais de 7 milhões de euros

Por Redacção       2 de Julho de 2013 às 11:27
João Vale e Azevedo foi condenado a dez anos de prisão efetiva pelos crimes de apropriação indevida de mais de quatro milhões de euros do Benfica, branqueamento de capitais, abuso de confiança e falsificação de documento.
O antigo presidente dos encarnados tem de pagar mais de 7 milhões de euros de indemnização ao Benfica, referentes aos 4 milhões de que se terá apropriado, mais os juros.
O coletivo de juízes da 3.ª Vara Criminal de Lisboa, presidido por José Barata, considerou que Vale e Azevedo, presidente do Benfica de finais de 1997 a 2000, teve uma conduta ilícita e beneficiou da falta de «controlo e vigilância» para «apropriar-se ilegitimamente de verbas para seu proveito próprio».
O tribunal sublinhou que Vale e Azevedo agiu «com dolo» e referiu que toda a prova documental ficou provada nas audiências de julgamento.
O tribunal condenou Vale e Azevedo a quatro anos de prisão por um crime de peculato na transferência do futebolista britânico Scott Minto. Pelo mesmo crime, Vale e Azevedo foi condenado a cinco anos de prisão pela transferência do também britânico Gary Charles.
Foi ainda condenado a três anos por abuso de confiança no que se refere à transação dos direitos desportivos do brasileiro Amaral.
O tribunal atribuiu igualmente as penas de dois anos de prisão pela falsificação de documento na transferência de Scott Minto e de quatro anos e meio na negociação de Amaral.
No crime de branqueamento de capitais, Vale e Azevedo foi condenado a cinco anos de prisão por se ter apropriado de 500.000 libras estrelinas na transferência de Scott Minto.
Em cúmulo jurídico, o coletivo de juízes fixou a pena única de 10 anos de prisão efetiva e decidiu pedir o alargamento do pedido de extradição para Portugal.
A cumprir pena no Estabelecimento Prisional da Carregueira (Sintra), Vale e Azevedo esteve ausente na leitura do acórdão, ao abrigo da extradição para Portugal, no âmbito do cúmulo jurídico de 11 anos e meio fixado com as condenações nos processos Ovchinnikov/Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria.
A advogada de defesa já disse que vai recorrer para a Relação de Lisboa e para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.
Artigo atualizado às 13:10

TAGS:   Benfica   Vale e Azevedo   Tribunal   Prisão  

PUBLICIDADE

Comentários
Maisfutebol de A a Z
Ver todos
X
Y
MAISFUTEBOL COPYRIGHT © 2013 IOL.PT