DESTINO: 80's é uma rubrica do Maisfutebol: recupera personagens e memórias dessa década marcante do futebol. Viagens carregadas de nostalgia e saudosismo, sempre com bom humor e imagens inesquecíveis. DESTINO: 80's.

RADI ZDRAVKOV: Desp. Chaves (1986 a 1989); Sp. Braga (1989/90); Paços Ferreira (1990/91) e Felgueiras (1991/92).









«Bem, na Bulgária havia uma ditadura comunista e ninguém podia sair do país com menos de 28 anos. Eu saí com 30. Queria jogar as qualificações para o Euro88 e experimentar outro campeonato. Recebi o convite do Chaves e não podia recusar»Maisfutebol

«Deixei de jogar em 1994»«Iniciei uma carreira de treinador e adoro. É um prazer para mim. Trabalhei em boas equipas da I Divisão da Bulgária. Fui duas vezes campeão, tenho uma Taça da Bulgaria e joguei competições europeias. Nos últimos quatro anos trabalhei com o Lubo Penev, que foi um famoso avançado, na seleção nacional da Bulgária»

Números de Radi em Portugal:








Radi e Mladenov no CSKA Sofia





«É verdade, joguei contra o Maradona e transferi-me logo a seguir para o Chaves»«Conseguimos ir ao Mundial, mas na Bulgária o governo e as pessoas não estavam satisfeitos. Sofremos enormes críticas»

«Empatámos dois jogos, sempre no Estádio Azteca e com 100 mil pessoas nas bancadas. Fiz o passe para o Sirakov no golo contra a Itália. Mas o melhor foi mesmo o contato com o Maradona no relvado. Nunca vou esquecer isso»



Golo de Radi no D. Chaves-FC Porto, 2-0 em 1988/89







«Esses anos em Chaves foram os meus melhores enquanto jogador. A qualificação para as provas da UEFA foi o maior sucesso da história do clube. Muitas pessoas ficaram surpreendidas, mas nós merecemos. A equipa era fantástica»





Golo de Radi no D. Chaves-Sporting, 2-1 em 1988/89:



«facílima»

«Fiz dois treinos e senti que o treinador ganhou logo confiança em mim. E acho que não os enganei, fiz um bom papel em Chaves. Fora do relvado tive a ajuda de um grande amigo, o Abreu. Estou-lhe eternamente agradecido. Até uma entrevista ele me ajudou a dar, pois eu não falava bem em português ainda. A cidade era pequena e linda, sentia que conhecia toda a gente. Terei sempre a cidade de Chaves e o Desportivo no meu coração»







Raul Águas«jovem, ambicioso e bravo. Teve o grande mérito nos sucessos de Chaves»

João Fonseca«um maravilhoso colega, já na altura com grande experiência»

Vitor Manuel«o meu período em Braga foi difícil. A minha filosofia e estilo de jogar era muito diferente da visão de jogo do Vitor»

Mário Reis«compreendeu que eu podia jogar em qualquer posição no Paços. Num jogo importante, contra o Varzim, apostou em mim como defesa central»

Radi no Itália-Bulgária, 1-1 em 1986: