DESTINO: 80's é uma rubrica do Maisfutebol: recupera personagens e memórias dessa década marcante do futebol. Viagens carregadas de nostalgia e saudosismo, sempre com bom humor e imagens inesquecíveis. DESTINO: 80's.

GERALDÃO: FC Porto (1987/88 a 1990/91)

Viena já lá vai, o bigode de Artur Jorge passa a ser Rei em Paris, chega Tomislav Ivic e o FC Porto quer mais, mais e mais. 1987, ano de todas as glórias azuis e brancas, título europeu, Bayern Munique enviado para a Baviera, certificado de fiabilidade alemã trocado por «FRÁGIL».

Plantel retocado nas Antas, nada de revoluções sem sentido.

Entram o mini-Rui Barros, o aveludado Jorge Plácido, o lateral Barriga, o anónimo Rui Neves e dois brasileiros: Raudnei para fazer golos e Geraldão para concorrer com Celso, Lima Pereira e Eduardo Luís no centro da defesa.

Geraldão, Geraldão, o que é feito de um dos defesas mais extraordinários que a Liga portuguesa já viu? O Destino 80s descobre-o em Belo Horizonte, homem de negócios, sempre ligado e atento ao futebol. Com o FC Porto no coração, claro, tal como em 2012, quando recordámos a batalha na neve de Tóquio.

O que se segue, durante 45 minutos, é o retrato cuidado e apaixonado do Porto dominador, castigador, implacável na transição das décadas de 80/90.

Geraldão, 53 anos (nãããooooo!), um senhor da palavra, gentil e atencioso, dispara a matar. Como na tarde em que fuzilou Tomislav Ivkovic. «Eu amo o FC Porto. E sabe porquê? Aquele balneário era obrigado a isso, a amar o símbolo e a respeitar os adeptos».

Mas há mais.

«O FC Porto era intenso em tudo. Um excesso diário: no treino, na entrega, na mensagem, na relação. Fomos orientados a abraçar o lema ‘Contra tudo e contra todos’. No balneário injetaram-nos raiva contra o Benfica e o Sporting. Tínhamos de odiar esses clubes, sempre. E a verdade é que eu, desportivamente, odiei facilmente o Benfica e o Sporting».

RELACIONADO: «Nunca assinei um pré-contrato com o Benfica, é mentira»

GERALDÃO NA LIGA PORTUGUESA

. 1987/88: FC Porto, 24 jogos/2 golos (campeão)

. 1988/89. FC Porto, 25 jogos/2 golos (2º lugar)

. 1989/90: FC Porto, 28 jogos/4 golos (campeão)

. 1990/91: FC Porto, 24 jogos/12 golos (2º lugar)

TOTAL: 101 jogos/20 golos

TÍTULOS: 2 Campeonatos Nacionais, 2 Taças, 1 Supertaça, 1 Taça Intercontinental e 1 Supertaça Europeia

Não há qualquer engano nos dados de Geraldão. Quatro temporadas no campeonato nacional, 20 golos. 25 se lhes juntarmos as restantes provas oficiais. Grande parte, a esmagadora maioria, na cobrança de livres diretos, preferencialmente de longa distância.

O FC Porto sabia bem o que fazia ao apostar em Geraldão. No Cruzeiro, onde jogava antes de chegar às Antas, o zagueiro brasileiro [9 presenças na seleção canarinha] fez isto (ver aos 45 segundos):

Afinal, como se aprende a bater livres assim, caro Geraldão? «Instinto, treino e dom», responde o antigo pilar da defesa do FC Porto, arma mortífera em vários jogos, alguns absolutamente cruciais.

Ficou famoso, de resto, o duelo com Ivkovic. O guarda-redes do Sporting, avisado pelos jornalistas para o perigo do coice de Geraldão, anunciou estar preparado e até brincou com a perícia do brasileiro. Deu-se mal (ver aos 50 segundos):

«Ele era um dos melhores guarda-redes em Portugal, mas eu estava numa fase imparável», recorda Geraldão. «Li as declarações do Ivkovic e passei essa semana a treinar livres de todas as zonas possíveis e imagináveis. Meti na cabeça que tinha de marcar ao Sporting».

Assim foi.

«O Domingos sofreu uma falta logo no início do Clássico e lá fui eu. O Ivkovic inverteu a posição normal da barreira, mas eu nem quis saber. Ele pensou que a bola ia para fora (risos). No final fui ter com o Marinho Peres, técnico do Sporting e meu amigo, e disse-lhe isto: ‘seu Marinho, diz ao goleirão que contra o Geraldão ninguém pode estar preparado. É impossível’».

Geraldão arrasou Ivkovic nesse Clássico das Antas, mas o primeiro golo de livre no FC Porto já tinha sido contra o Sporting. Geraldão teve de esperar um ano e meio até conquistar o direito de bater uma bola parada. Sim, um ano e meio.

Golo de Geraldão em Alvalade (41 segundos):

«Eu cheguei ao Porto e havia Madjer, Sousa e Celso, todos especialistas nesses lances. Tive de esperar, claro. E foi em Alvalade, quando ninguém estava à espera. A bola estava muito, muito longe e eu disse ao André ‘vou arriscar, cara’. Ele vira-se para mim e diz logo ‘ui, tá bom Eusébio, arrisca’».

E em Alvalade começou o espetáculo de Geraldão nos livres, com Vital na baliza do Sporting.

«O Eriksson (Benfica) mandou tirar pressão às bolas por minha causa»

Geraldão conquistou em Alvalade o direito sagrado de se intrometer entre os batedores de livres do FC Porto. Nem sempre, porém, as coisas correram bem. Certo dia na Luz, por exemplo, por mais que tentasse a bola nunca chegava à baliza do Benfica.

«Marquei três livres e a bola saiu sempre morta. Protestei com o árbitro e ele não ligou. Mas eu tinha a certeza que alguma coisa não estava bem. No dia a seguir, o Ricardo Gomes e o Valdo, meus grandes amigos, confessaram-me tudo: ‘Geraldo, a primeira coisa que o mister Eriksson fez no balneário foi mandar tirar a pressão às bolas’. Eles tinham medo de mim e do Branco».

Com Domingos e Kostadinov a conquistar faltas no ataque, Geraldão e Branco tornaram-se um pesadelo constante para os guarda-redes contrários. Ficaram célebres nas Antas esses defesas goleadores, uma espécie claramente em vias de extinção, como o próprio Geraldão refere.

«Eu não entendo. As bolas agora são leves, desviam a trajetória facilmente e há poucos especialistas em livres. No meu tempo pareciam calhaus, pesados e duros. Não sei se é falta de treino ou de inspiração…»

Zé Beto, GERALDÃO, Kongolo, J. Magalhães, R. Águas, J. Pinto e Branco (em cima);

Madjer, André, Bandeirinha e Sousa (em baixo)

 

As bolas paradas de Geraldão fazem parte da memória dos portistas, certamente, mas para o brasileiro o significado do FC Porto e as suas próprias memórias vão muito para além disso.

«Veja bem, eu cheguei para o clube campeão da Europa», começa Geraldão. «No primeiro dia de treinos as minhas pernas tremiam. E eu era jogador de seleção brasileira. Mas vi uma organização perfeita, um código de conduta híper-rigoroso, verdadeiros craques ao meu lado e interiorizei uma responsabilidade quase sagrada».

Os adeptos, omnipresentes, fizeram o resto. «Íamos à Covilhã e ao Algarve e a caravana de automóveis em nosso redor era impressionante. O Mlynarczyk, o João Pinto, o André, o Jaime Pacheco gritavam connosco e diziam ‘malta, estão aqui milhares de pessoas para nos ver ganhar e já fizeram centenas de quilómetros. Como vai ser?’»

Geraldão assegura, de resto, que ver o nome na convocatória de sexta feira era «um privilégio». «Esse era um dos momentos de maior tensão. O papelinho chegava ao balneário e lá íamos nós, espreitar a lista do treinador. Vi alguns colegas a chorar por não serem convocados».

Do Brasil, emocionado, Geraldão envia um abraço aos portistas e a Pinto da Costa, a Reinaldo Teles, ao dr. Domingos Gomes, ao roupeiro Moreno.

«A coisa mais maravilhosa que me podia acontecer era voltar ao FC Porto ou colaborar com o clube aqui no Brasil. Fui eu que indiquei o Pepe, o Alan, o Ezequias e o Léo Lima ao Marítimo, onde fui diretor desportivo. Todos acabaram por jogar no Porto».

OUTROS DESTINOS:

1. Adbel Ghany, as memórias do Faraó de Aveiro

2. Careca, meio Eusébio meio Pelé

3. Kiki, o rapaz das tranças que o FC Porto raptou

4. Abazaj, o albanês que não aceita jantares

5. Eskilsson, o rei leão de 88 é um ás no poker

6. Baltazar, o «pichichi» desviado do Atl. Madrid

7. Emerson, nem ele acreditava que jogava aquilo tudo

8. Mapuata, o Renault 9 e «o maior escândalo de 1987»

9. Cacioli, o Lombardo que adbicou da carreira para casar por amor

10. Lula, da desconhecida Famalicão às portas da seleção portuguesa

11. Samuel, a eterna esperança do Benfica

12. Lars Eriksson, o guarda-redes que sabe que não deu alegrias

13. Wando, um incompreendido

14. Doriva, as memórias do pontapé canhão das Antas

15. Elói, fotos em Faro e jantares em casa de Pinto da Costa

16. Dinis, o Sandokan de Aveiro

17. Pedro Barny, do Boavistão e das camisolas esquisitas

18. Pingo, as saudades de um campeão do FC Porto

19. Taira, da persistência no Restelo à glória em Salamanca

20. Latapy, os penáltis com a Sampdória e as desculpas a Jokanovic

21. Marco Aurélio, memórias de quando Sousa Cintra se ria do FC Porto

22. Jorge Soares e um célebre golo de Jardel

23. Ivica Kralj e uma questão oftalmológica

24. N'Kama, o bombista zairense

25. Karoglan, em Portugal por causa da guerra

26. Ronaldo e o Benfica dos vinte reforços por época

27. Tuck, um coração entre dois emblemas

28. Tueba, ia para o Sporting, jogou no Benfica e está muito gordo

29. Krpan, o croata que não fazia amigos no FC Porto

30. Walter Paz, zero minutos no FC Porto

31. Radi, dos duelos com Maradona à pacatez de Chaves

32. Nelson Bertollazzi eliminou a Fiorentina e arrasou o dragão

33. Mangonga matou o Benfica sem saber como

34. Dino Furacão tirou um título ao Benfica e foi insultado por um taxista

35. António Carlos, o único a pôr Paulinho Santos no lugar

36. Valckx e do 3-6 que o «matou»

37. Ademir Alcântara: e a paz entre Benfica e FC Porto acabou

38. Chiquinho Conde, impedido de jogar no Benfica por Samora Machel

39. Bambo, das seleções jovens a designer de moda em Leeds

40. Iliev, sonhos na Luz desfeitos por Manuel José

41. Panduru, num Benfica onde era impossível jogar bem

42. Missé Missé, transformado em egoísta no Sporting

43. Edmilson: Amunike e Dani taparam-lhe entrada num grande

44. Jamir: «Gostava de ter dado mais ao Benfica»

45. Donizete continua um «benfiquista da porra»

46. Leandro Machado: «Se fosse mais profissional...»

47. Bobó, a última aposta de Pedroto

48. Rufai, o Príncipe que não quis ser Rei

49. Mandla Zwane, a pérola de Bobby Robson

50. Vítor Paneira e os trintões que quiseram ser como ele

51. Jorge Andrade, o FC Porto foi a maior deceção da carreira

52. Amunike e uma faca apontada a Sousa Cintra

53. Caio Júnior, ás em Guimarães

54. Luisinho: «Quem sabe jogar não precisa bater»

55. Marcelo: «Autuori preferiu Pringle, mas não ficou a ganhar»

56. Zé Carlos, o homem que Artur Jorge dizia ter «bunda grande»

57. Douglas: «Sousa Cintra entrou no balneário a pedir para eu jogar»

58. Ricky, nem Eusébio lhe valeu a titularidade no Benfica