DESTINO 90's é uma rubrica do Maisfutebol: recupera personagens e memórias dessa década marcante do futebol. Viagens carregadas de nostalgia e saudosismo, sempre com bom humor e imagens inesquecíveis . DESTINO: 90's.

MANDLA ZWANE: FC Porto e Penafiel (1994/95), Gil Vicente (1995/96)

Estádio das Antas, julho de 1994. Bobby Robson inicia a segunda época no FC Porto, de braço dado com José Mourinho. O Benfica é campeão e os dragões vão em força ao mercado. No arranque da pré-época, quatro desconhecidos apresentam-se ao trabalho.

1. Walter Paz; 2. Roberto Mogrovejo; 3. Etienne N’Tsunda; 4. Mandla Zwane.

Ui, coisa linda! Mais tarde, em janeiro, chega ainda Ronald Baroni. É o lado perverso da era pré-digital no futebol. Empresários usam e abusam de relações perigosas, prometem novos Pelés nas cassetes VHS, vendem gato por lebre.

O FC Porto, é bom lembrar, inicia nesse ano o arranque ao Penta. Esta é a lista dos flops, mas há muita gente de grande valor a entrar no grupo: Rui Barros, Emerson, Kulkov, Iuran e Latapy, por exemplo.

Mas, e os outros? Os que ficam para trás?

Há semanas encontrámos Walter Paz, desta vez vamos à África do Sul e apanhamos Mandla Zwane a meio de um treino da equipa de futebol da Universidade de Joanesburgo.

«De Portugal? Ah, ah, ah, a sério? Abraçoooo para Portugal! Crazy Jorge Costa, crazy Paulinho Santos».

 Mandla Zwane, 42 anos, é uma joia de rapaz. Fala 30 minutos sem parar, faz perguntas e não espera as respostas. Afinal, quem é ele, como chegou a Portugal e por que não fez um único jogo oficial pelo FC Porto?

«Fiz dois jogos no Orlando Pirates e o Marcelo Houseman [empresário argentino] pegou em mim e levou-me para a Holanda. Fui ao Feyenoord fazer testes, mas acabei por viajar para Portugal. Cheguei às Antas e assinei por três anos, com o N´Tsunda. Nunca ninguém me tinha visto a jogar e eu também não conhecia ninguém».

Mandla Zwane (à esquerda) nos últimos dias da carreira

                                                 

PERCURSO DE MANDLA ZWANE EM PORTUGAL:

. 1994/95: FC Porto (não foi utilizado)

. 1994/95: Penafiel (8 jogos, II Liga)

. 1995/96: Gil Vicente (5 jogos, I Liga)

Outros clubes:

. Orlando Pirates, Supersport United, Black Leopards e Black Aces (África do Sul); Selangor (Malásia); Sarawach (Mali).

. 1 internacionalização pela África do Sul

Mandla é moldado nas ruas facínoras de Zola, no Soweto, - «Ganhava esmolas a dar toques numa bola de trapos» - e no meio dessa esperteza de bairro resiste uma ingenuidade grande.

No FC Porto, os colegas apercebem-se imediatamente desse lado totalmente puro.

«Uns malandros, crazy, crazy guys. O meu primeiro dia? Lembro-me, claro», diz Mandla Zwane, ao Maisfutebol, já no silêncio de um gabinete.

«Cheguei às Antas e o Jorge Costa veio ter comigo. Estava com o Domingos e o Paulinho Santos. Disse-me que o mister Robson queria conhecer-me, mas para eu ter cuidado, porque ele era um homem muito duro. E eu lá fui, ao gabinete do senhor Robson, com os três».

Ao entrar, Mandla Zwane vê um homem de fato de treino e boné enfiado até às orelhas. «Nem olhou para mim. Só disse: ‘Senta-te!’. Eu olhei para o Jorge Costa, já a tremer, mas ele fechou a porta e saiu. Fiquei sozinho com o senhor Robson. Quer dizer, com aquele que eu pensava ser o senhor Robson».

«O homem começa aos berros e a bater na mesa. Dizia que eu tinha de jogar bem e que dava cabo de mim se eu falhasse. Ah, ah, ah, eu acho que estive quase a desmaiar. Passados uns minutos, a porta abre-se e entram todos às gargalhadas. O homem de boné era o guarda-redes, o Baía, conhece?».

Mandla Zwane conquista todos pela simplicidade. Até o verdadeiro Bobby Robson.

«No final do primeiro treino fiquei a dar toques na bola. Eu era um malabarista incrível, fazia o que queria. Quando dei por ela, estava o plantel todo à minha volta, a bater palmas, e eu a fazer habilidades. O mister Robson veio dar-me um abraço: ‘Mandela, és a minha pérola! A partir de hoje quero que faças sempre isso no início do treino, para animar os teus colegas’».

«Cumpri o sonho de conhecer Michel PreuHomme»

Durante seis meses, Mandla Zwane passa a ser só Mandela e é o animador de serviço. Nos treinos, só nos treinos. O sul-africano sai em janeiro, emprestado ao Penafiel, sem fazer um único jogo.

«Não fui inscrito porque não havia vaga para estrangeiros. Só podiam estar seis no plantel [Kulkov, Iuran, Latapy, Kostadinov, Drulovic e Emerson]. Por isso o mister Robson e o José Mourinho falaram comigo e emprestaram-me ao Penafiel, da II Liga».

Mandla, Mandela para os amigos, sai para o Estádio 25 de abril, empenhado em voltar às Antas. N’Tsunda volta a acompanhá-lo, mas a experiência não é brilhante.

«Fiz alguns jogos [oito]. Aquilo era duro, muito duro. Eu adorava fintar e jogar com calma, mas era tudo rápido e agressivo. O senhor Robson ligava-me, dava-me moral. ‘Mandela, um dia vais ser tu e mais dez no FC Porto’. Não deu, os outros eram melhores. Domingos, Kostadinov…»

No segundo ano, Mandela é cedido ao Gil Vicente. Faz seis jogos no campeonato, dois contra o Benfica. «Cumpri um sonho: conhecer o Michel PreudHomme».

«Eu tinha visto os jogos todos do Mundial94 e o Michel tornou-se um ídolo. Na Luz perdemos 3-0 e estive quase, quase a marcar. Fui muito lento a decidir. Em Barcelos perdemos 1-2 e o mister Pedroto [Bernardino, filho de José Maria] meteu-me nos últimos minutos».  

O adeus a Portugal acontece em junho de 96. O FC Porto rescinde o contrato e Mandla não volta a ser Mandela. Passa pela Malásia, pelo Mali e faz uma década no futebol sul-africano, até se despedir em 2008, já veterano.

«O futebol é a minha paixão e ainda faço tudo com uma bola de futebol. Sou adjunto da equipa da universidade, mas nunca mais voltei a Portugal. A viagem é muito cara».

Mandla Zwane despede-se a sorrir. Fala do único compatriota a jogar na I Liga portuguesa - Cafu Phete, do Vitória Guimarães - e faz um pedido ao Maisfutebol.

«É bom no passe, longo e curto. Aqui diziam que era parecido com o Makelele. Bem, acho que até tem qualidade, mas nunca será como o Mandla Zwane. Com a bola eu faço tudo! Já agora: não tem o número de telefone do meu amigo Mourinho? Esse é que era um crazy, crazy guy».

OUTROS DESTINOS:

1. Adbel Ghany, as memórias do Faraó de Aveiro

2. Careca, meio Eusébio meio Pelé

3. Kiki, o rapaz das tranças que o FC Porto raptou

4. Abazaj, o albanês que não aceita jantares

5. Eskilsson, o rei leão de 88 é um ás no poker

6. Baltazar, o «pichichi» desviado do Atl. Madrid

7. Emerson, nem ele acreditava que jogava aquilo tudo

8. Mapuata, o Renault 9 e «o maior escândalo de 1987»

9. Cacioli, o Lombardo que adbicou da carreira para casar por amor

10. Lula, da desconhecida Famalicão às portas da seleção portuguesa

11. Samuel, a eterna esperança do Benfica

12. Lars Eriksson, o guarda-redes que sabe que não deu alegrias

13. Wando, um incompreendido

14. Doriva, as memórias do pontapé canhão das Antas

15. Elói, fotos em Faro e jantares em casa de Pinto da Costa

16. Dinis, o Sandokan de Aveiro

17. Pedro Barny, do Boavistão e das camisolas esquisitas

18. Pingo, as saudades de um campeão do FC Porto

19. Taira, da persistência no Restelo à glória em Salamanca

20. Latapy, os penáltis com a Sampdória e as desculpas a Jokanovic

21. Marco Aurélio, memórias de quando Sousa Cintra se ria do FC Porto

22. Jorge Soares e um célebre golo de Jardel

23. Ivica Kralj e uma questão oftalmológica

24. N'Kama, o bombista zairense

25. Karoglan, em Portugal por causa da guerra

26. Ronaldo e o Benfica dos vinte reforços por época

27. Tuck, um coração entre dois emblemas

28. Tueba, ia para o Sporting, jogou no Benfica e está muito gordo

29. Krpan, o croata que não fazia amigos no FC Porto

30. Walter Paz, zero minutos no FC Porto

31. Radi, dos duelos com Maradona à pacatez de Chaves

32. Nelson Bertollazzi eliminou a Fiorentina e arrasou o dragão

33. Mangonga matou o Benfica sem saber como

34. Dino Furacão tirou um título ao Benfica e foi insultado por um taxista

35. António Carlos, o único a pôr Paulinho Santos no lugar

36. Valckx e do 3-6 que o «matou»

37. Ademir Alcântara: e a paz entre Benfica e FC Porto acabou

38. Chiquinho Conde, impedido de jogar no Benfica por Samora Machel

39. Bambo, das seleções jovens a designer de moda em Leeds

40. Iliev, sonhos na Luz desfeitos por Manuel José

41. Panduru, num Benfica onde era impossível jogar bem

42. Missé Missé, transformado em egoísta no Sporting

43. Edmilson: Amunike e Dani taparam-lhe entrada num grande

44. Jamir: «Gostava de ter dado mais ao Benfica»

45. Donizete continua um «benfiquista da porra»

46. Leandro Machado: «Se fosse mais profissional...»

47. Bobó, a última aposta de Pedroto

48. Rufai, o Príncipe que não quis ser Rei: «Sou um filho de Portugal»