Domingo à tarde é uma rubrica do Maisfutebol, que olha para o futebol português para lá da liga e das primeiras páginas. Do Campeonato de Portugal aos Distritais, da Taça de Portugal aos campeonatos regionais, história de vida e futebol.

 

«Que a próxima entrevista seja quando já estivermos na II Liga»

O sonho ganha cada vez mais força, à medida que se vai riscando jogos no calendário. O passar dos dias é proporcional ao entusiasmo dos jogadores da União de Leiria, sobretudo de Leandro Souza.

É que nem o Carnaval o inquieta tanto como uma possível subida, confessou.

«Sou brasileiro, mas nem ligo muito ao Carnaval. Gosto muito de estar longe da confusão, com a minha família, tranquilo.»

Começou assim a conversa com o Maisfutebol, em pleno dia de Carnaval. Ao longe, sons de folia e algumas vozes mais estridentes invadem o telefone. Típico.

Há dez anos, Leandro trocou a pontinha do Brasil pela pontinha da Europa. Em Portugal foi construindo uma carreira sólida, sobretudo nos escalões inferiores, embora tenha chegado a pisar os grandes palcos com o Moreirense, em 2014/15. Fez até um golo ao Sporting ao serviço dos cónegos, o único na I Liga (ver a partir de 1m35).

Agora com 30, o menino de Recife tem feito uma das melhores temporadas de sempre em terras lusas, sendo já uma figura incontornável da presente edição do Campeonato de Portugal.

Sob as ordens de Rui Amorim, o avançado soma 17 golos em 23 jogos, quatro deles apontados nas duas últimas jornadas do campeonato.

Líder dos marcadores da Serie C, com 15 golos, o brasileiro contribuiu decisivamente para a liderança isolada da U. Leiria, que tem atualmente mais sete pontos do que o segundo classificado Lusitano FCV.

«Estamos a fazer uma grande temporada e é para mim um orgulho estar a fazer parte deste trajeto. Felizmente tenho conseguido ajudar com golos, mas é mérito de toda a equipa.»

Alto e forte fisicamente, Leandro considera que a «experiência» tem sido um fator decisivo para tantos golos, além de enaltecer a capacidade de «rematar com os dois pés» e também «ser bom de cabeça».

Leandro Souza é um dos melhores marcadores do campeonato (foto: U. Leiria)

Bom, golo não lhe falta, e isso é o que basta para muitos. Com mais de uma dezena de jogos ainda por disputar, já igualou a sua melhor marca pessoal e aponta para uma marca inédita.

Quero fazer, pelo menos, 25 golos. Estou a atravessar o meu melhor momento de forma esta época, só possível graças aos meus colegas. O mister Rui já me conhecia dos tempos do Boavista (na II divisão) e facilitou a minha integração. Temos um grupo forte, com jogadores de muita qualidade, alguns deles ainda jovens»

«Disse-lhe para ir ter ao campo do Águias e foi para Águeda»

Com vários anos de estrada, Leandro já se habituou às constantes deslocações, agora mais pela zona Centro do país.

Na época transata representou o Desp. Aves, que acabou por subir ao primeiro escalão, mas voltou a descer um patamar competitivo devido «à oportunidade e ao projeto aliciante da U. Leiria», decisão da qual não se arrepende.

«É um campeonato muito competitivo, com bons jogadores, é preciso trabalhar muito e, no final, nada garante que seja a melhor equipa a passar, quando se trata dos play-off», explicou.

Ao falar das deslocações, o avançado recordou uma história caricata:

«Há uns tempos, um parente meu quis assistir a um jogo e nós íamos defrontar o Águias do Moradal (Castelo Branco). Ele entendeu mal e foi parar a Águeda, que nessa jornada até jogava nos Açores, creio. Esteve lá à espera, até que um funcionário lhe disse que não ia acontecer nada ali (risos). Depois lá conseguiu chegar a tempo, mas foi uma viagem longa ainda (cerca de 200 Km)»

Admirador de Ronaldo «Fenómeno», Leandro diz inspirar-se em Jonas e também Jackson Martinez, pelo menos no que o colombiano mostrou ser capaz de fazer em Portugal. Questionado sobre os oponentes mais difíceis que já defrontou, o brasileiro elegeu a dupla Luisão-Jardel, recordação dos tempos como jogador do Moreirense.

O brasileiro marcou apenas um golo nos cónegos, frente ao Sporting

Apesar de andar arredado dos grandes palcos há algum tempo, Leandro mantém o sonho de regressar à I Liga, quiçá ao serviço do emblema leiriense, com o qual tem contrato por mais uma época.

«Gostava de regressar, claro. Sei que é preciso trabalhar muito, mas eu também vou-me cuidando. Mesmo fora dos treinos eu procuro manter-me em forma, não como “besteira”. É um objetivo, mas estou focado na U. Leiria agora e em colocar este clube histórico onde merece. Sempre assumimos que eramos favoritos a subir e queremos cumprir», vincou.

Sem pensar demasiado no que se seguirá depois de uma eventual subida, o jogador lá vai dizendo, em tom de brincadeira.

Já estamos habituados a jogar num estádio de primeira, com excelentes condições. De certa forma até intimida os adversários, quando vêm jogar a Leiria, mas a nós já não incomoda. Se calhar é uma vantagem (só perderam um jogo em casa, para a Taça). Se subirmos, talvez seja mais estranho para os adversários (risos)»

O Magalhães Pessoa aguarda com expectativa o regresso do futebol de primeira àquela relva, o que não acontece desde 2011/12. Tanto tempo longe dos olhares, mas sempre presente no coração das suas gentes.

«Quem olha para o mapa, vê um deserto de futebol na zona Centro. É preciso chegar a Coimbra e Viseu para ver clubes em competições superiores. É uma área muito grande e tenho a certeza que o regresso da U. Leiria seria uma grande alegria para todos os habitantes desta região», concluiu, rematando com um:

«A próxima será já na II Liga, tá bom?»