Antes da época deste ano de Rúben Dias, Miguel Vítor fora o último central a sair da formação do clube e a fazer mais de duas dezenas de jogos numa só época pela equipa principal. Fê-lo, exatamente aos 20 anos, a idade com que Rúben Dias se afirma. também.

Em entrevista ao Maisfutebol, o central de 28 anos analisa a evolução do colega de setor, defende acreditar que ele pode ser o futuro do Benfica e fala sobre o sonho de regressar ao clube onde se formou.

Como central que saiu da formação do Benfica, como vê o crescimento de Rúben Dias, que está na Rússia com a seleção?

Ele fez uma grande época e tem estado num nível muito bom. A prova disso foi a convocatória para o Mundial, numa posição em que toda a gente diz que é preciso ter jogadores mais experientes. Portanto, a chamada dele prova que a qualidade e maturidade que ele já tem demonstrado. E claro que fico muito contente por ver um jogador formado no Benfica, ainda por cima central, ter este êxito.

Tendo já passado por uma situação semelhante, há algum conselho que gostava de lhe deixar?

Acho que ele não precisa de conselhos meus neste momento. Tem é de manter o que tem vindo a fazer porque tenho a certeza de que com os jogos, e a jogar ao lado de grandes centrais como ele está a jogar, vai evoluir cada vez mais. Toda a gente diz que um central atinge o topo das suas capacidades aos 27/28 anos, por isso, ele ainda pode evoluir muito e tornar-se melhor do que já é.

Acha, então, que ele tem capacidade para se impor de vez no Benfica?

Sem dúvida que sim. São outros tempos [comparando com o tempo em que Miguel Vítor apareceu], o clube tem uma política diferente e ele tem todas as capacidades para se afirmar no Benfica. E depois de ele ter sido chamado para um Mundial, acho que o Benfica vai dar continuidade à aposta nele.

E o Miguel regressar ao Benfica?...

Claro que seria um sonho isso acontecer um dia. Voltar ao Benfica antes de terminar a carreira... Mas também sei que é difícil porque o Benfica é um clube muito grande que tem sempre plantéis de grande qualidade. Mas não se sabe o dia de amanhã. Neste momento estou apenas concentrado em recuperar desta lesão da melhor forma. Ficaria feliz se isso acontecesse, mas não é uma coisa que eu pense que haja grandes probabilidades de acontecer. Mas isso é algo que eu sempre deixarei em aberto.

Leia também:

«Sinto-me mais seguro em Israel do que noutro país da Europa»

Miguel Vítor: «Sei que o meu tempo para a seleção passou»

 

«Violência no futebol? Em Israel os castigos são muito pesados»