«Perguntou-me mil vezes pela mesma coisa, nunca mais. Esta é a minha última entrevista», desabafou Suárez ao seu empresário, depois de concluído o diálogo com o jornalista do The Guardian.

Antes, porém, o internacional uruguaio tinha falado abertamente sobre o tema. «Penso que as coisas más já estão para trás das costas. Estou no caminho certo, acredito que sim, lidando com pessoas que me podem ajudar», começou por dizer.

Luís Suárez comparou o seu gesto com outros que considera semelhantes ou piores: «Cada um tem a sua forma de se defender. No meu caso, a pressão, a tensão saiu dessa forma. Há outros jogadores que reagem partindo a perna de alguém, ou o nariz. Olham para o que aconteceu com Chiellini como se fosse a pior coisa possível…mas percebo que a mordidela tenha sido mal vista.»

Os ingleses não esquecem um incidente anterior, entre Suárez e Evra. «Sei que errei ao morder e ao mergulhar, mas cheguei a ser acusado de racismo e sem provas. Isso foi o que mais me magoou. Só lhe disse ‘porquê, negro’? É uma palavra que usamos no Uruguai mas sem qualquer conotação racista», rematou o jogador.