«Não diria que seja travar a euforia que existe. Sabemos que existe uma onda exterior positiva, mas também temos consciência de que os jogadores sabem os limites dessas situações e sabem agir com responsabilidade. Temos consciência do trabalho que realizámos até agora, o que foi feito e o que ainda falta fazer. Agora, exteriormente, é uma situação que não podemos controlar, não podemos travar isso», afirmou Jesualdo na conferência de imprensa desta sexta-feira.

O treinador reitera a importância do jogo da 24ª jornada para a caminhada que os dragões esperam ver terminar no Tetra. «Estou seguro que os jogadores sabem a importância deste jogo, como de todos os jogos. Aqui ninguém faz um jogo a pensar no outro.

Há um lastro de experiência que nos faz sentir que conseguimos dividir as coisas. A consciência e a responsabilidade interior estão presentes nos meus jogadores», garantiu Jesualdo.

Apesar da recepção em festa que os adeptos ofereceram ao F.C.Porto após o resultado de Manchester, considerada «natural» mas que deixou toda a gente no clube «muito satisfeita» por todo o «reconhecimento» e «extremo orgulho» que provocaram na massa azul e branca, Jesualdo reforçou a ideia de que os jogadores estão focados nos objectivos que ainda faltam cumprir, a começar pelo Estrela da Amadora.

«O controlo emocional no futebol tem vários escalões e variantes e nós, profissionais, temos que saber lidar com isso. O nosso grau de responsabilidade é elevado, envolve algum risco, mas estamos seguros e sabemos que este é um jogo muito importante para o trajecto do Porto no campeonato. O caminho para o título faz-se jogo a jogo e esperamos aqui uma partida difícil contra o Estrela», lembrou o treinador dos dragões.