Sérgio Conceição, treinador campeão nacional 2017/18, em declarações à Sport Tv após a vitória em Guimarães por 1-0:

«Não foi fácil desligar o chip festivo. O título foi conquistado com toda a justiça do mundo numa época exigente. Era normal ter a semana que tivemos, o ambiente e a atmosfera diferentes. Por muito que alertássemos para a importância deste jogo, não era fácil. Este clube só luta para ganhar e tínhamos essa responsabilidade. O Vitória queria despedir-se bem dos adeptos. Preparámos o jogo dentro do possível, tentando focar os jogadores. Queríamos chegar aos 88 pontos e passar a ser também uma das equipas que atingiu este recorde.»

«Os recordes e as estatísticas não me dizem muito… mas ficamos contentes por atingir os 88 pontos.»

[sobre a luta entre a imagem de jogador e treinador]

«Daqui a 10 anos? Possivelmente a imagem como treinador prevalecerá. Mas estou no início. Não me queira já mandar embora (risos). Como treinador adjunto ganhei uma Taça na Bélgica e este é o segundo título.»

[sobre a aposta em Vaná e Fabiano]

«Todos foram campeões porque mereceram. O Fabiano foi incrível. Começou a trabalhar há 4/5 meses depois de uma grave lesão no joelho. Ele era o único que já tinha sido campeão neste clube. Ele na roda disse que tinham sido os 15 minutos mais importantes da carreira.»

«Legenda por baixo da taça? Vêm-me muitas coisas à cabeça. Foi um dos títulos mais importantes para o FC Porto nos últimos 30 anos. Insisto nisso. Partimos atrás dos outros, com o Benfica campeão e o Sporting a investir muito. E nós aproveitámos a prata da casa e fomos buscar atletas emprestados.»