Um cão tornou-se o grande herói do apuramento do São Paulo de Rio Grande do Sul à final da Copa Sul Fronteira, no Brasil.

O animal invadiu o campo durante a meia-final com o Farroupilha, que na altura vencia por 2-1. Só que esse acabou por ser um ponto de viragem no encontro, já que depois o São Paulo-RS deu a volta ao marcador, com o golo do triunfo (3-2) a ser apontado pelo jogador que tinha retirado o cão do campo, à custa de algumas dentadas.

«Pensei tirar o cão do campo pois só tínhamos 30 minutos para virar o jogo. Ele não gostou muito da abordagem, e por isso mordeu-me. Dei-lhe um cascudo para acalmá-lo e evitar que mordesse novamente. Não foi uma mordidela agressiva, foi mais como defesa. É incrível, mas parece que mudou tudo depois», contou Dudu à «Globoesportes».

«Muita gente ligou-me a perguntar se ele me tinha transmitido raiva. Se me transmitiu alguma coisa foi sorte», acrescentou o médio ofensivo, que agora quer adotar o cão. «Ele tem de aparecer de novo. Vou encontra-lo de algum jeito. Estou a avisar na cidade que estou à procura dele. Estamos a precisar», avisou.

Caso venha a encontrar o cão da sorte, Dudu até já tem um nome escolhido para o batizar: Suárez, tal como o avançado uruguaio do Barcelona. E nem é preciso explicar, pois não?