O presidente da Juventus, Andrea Agnelli, viu, esta segunda-feira, ser levantada a suspensão de um ano imposta no mês de setembro, fruto de um recurso que alterou as acusações de que tinha sido alvo, juntamente com o emblema italiano.

Por outro lado, a multa aplicada à Juventus foi duplicada para cerca de 600 mil euros e a bancada Curva Sud do estádio, destinada aos «ultras» do clube de Turim, estará fechada no dia 22 de janeiro, quando os «bianconeri» irão receber o Génova.

O caso da Federação Italiana de Futebol envolve a venda de ingressos a «ultras», nomeadamente a Rocco Dominello, que possui ligações à mafia calabresa N’drangheta. Distribuídos em quantidades avultadas, os bilhetes eram, numa fase posterior, comercializados por custo muito elevado.

Como consequência do levantamento da suspensão, o dirigente de 42 anos, que foi eleito em setembro para a presidência da Associação Europeia de Clubes (ECA), poderá, agora, regressar às funções.