Jaime Pacheco, treinador do Belenenses, sobre o empate na recepção ao Estrela, este domingo, na 22ª jornada do campeonato:

«Vou começar pelo fim: disse ao árbitro [João Ferreira], e na presença de testemunhas como o Vidigal, que permitiu que no critério disciplinar o Belenenses fosse prejudicado. O que querem fazer com o Belenenses não sei, mas tem sido nitidamente prejudicado. São equívocos a mais. O Ney devia ter sido expulso.»

[Sobre o jogo] «Entrámos muito bem no jogo, criámos oportunidades de golo, mas não fomos felizes na concretização. Esta equipa joga sobre brasas e isso reflecte-se no momento de finalizar. Mas sofremos dois golos de livre, um directo, bem executado pelo Celestino, e outro com algumas falhas da nossa parte. Os adeptos ajudaram, mas a equipa portou-se muito bem e conseguimos chegar ao intervalo com 2-1. Procurámos o segundo golo, o terceiro, mas por mérito do Nelson, não conseguimos. Foi um esforço tremendo, uma atitude excepcional, que teria mais ênfase se tivéssemos melhor classificados. Não temos nada a apontar a não ser elevar a postura e grande atitude desta equipa.»

[Se o empate foi um mal menor] «Só uma grande equipa consegue fazer isto. Já o fizemos contra o Trofense, mas com uma reviravolta total, hoje podíamos tê-lo conseguido, mas aquele lance do Ney com o Ávalos... São coisas que fazem com que a equipa não desenvolva com tranquilidade a sua qualidade. Não merecíamos este resultado que é mau para nós em função do que fizemos.»

[Se acredita na manutenção] «O Belenenses vai conseguir se depender só do nosso trabalho. É preciso que nos permitam que façamos o trabalho com a dignidade que merecemos. Quem gosta do Belenenses esteja atento, alguém quer fazer mal ao Belenenses, e uma equipa que joga com esta tensão toda tem mais dificuldade em ganhar. Sinto que temos qualidade e força e vamos lutar contra as adversidades e conseguir o nosso objectivo.»

[Tarja dos adeptos] «Compreendemos o descontentamento dos adeptos e sentimos que aquilo é uma forma de extravasar a tristeza. Mas eles sentem que aqui se trabalha a sério. Viu-se pelo jogo de hoje, jamais deixaram de estar connosco.»