Data de nascimento: 10/07/1915 (Barreiro). Falecido em 1994.

Posição: guarda-redes

Nacionalidade: portuguesa

Internacionalizações: 19

Período de atividade: 1935-1952

Clubes: Luso, Sporting e Oriental

Principais títulos conquistados: 8 campeonatos nacionais, 4 Taças de Portugal e 9 campeonatos de Lisboa

Ainda hoje é considerado um dos melhores guarda-redes de sempre do futebol português. Nasceu a 10 de Julho de 1915 no Barreiro, onde fez as suas primeiras defesas com a camisola do Luso.

Chegou ao Sporting com vinte anos, em 1935, e só tirou o leão do peito em 1952, aos 37 anos, para terminar a carreira no Oriental. A sua agilidade e reflexos invulgares levaram-no à seleção com apenas 22 anos, iniciando um percurso de dezanove etapas com a camisola das «Quinas».

Também foi assíduo titular na seleção de Lisboa. No seu palmarés constam oito campeonatos nacionais, quatro Taças de Portugal e nove campeonatos de Lisboa. A sua fama ultrapassou fronteiras e a critica espanhola atribui-lhe o apelido de «tigre português».

Foi uma das peças fundamentais da grande época de ouro do Sporting nos anos quarenta e cinquenta, defendendo a baliza dos «leões» em 567 jogos, 39 dos quais frente a equipas estrangeiras. Manteve as suas redes invioladas em 159 jogos. Além da sua agilidade felina, Azevedo destacou-se também pela coragem e arrojo que evidenciava entre os postes, tornando-se, na altura, um caso singular do futebol português.

Em Novembro de 1946, Azevedo viveu um momento de glória que o tornaria definitivamente num dos símbolos do Sporting. Numa tarde de Inverno, o Sporting defrontava o Benfica, no Campo Grande, no jogo que iria definir o campeão de Lisboa.

Nessa tarde, rezam as crónicas, Azevedo sofreu uma grave lesão, ainda no decorrer da primeira parte, no braço esquerdo e teve de abandonar o campo, sendo substituído por Jesus Correia, incialmente, e, mais tarde, por Veríssimo. No entanto, decorridos alguns minutos, Azevedo, por iniciativa própria, regressou ao campo, numa altura em que o Sporting vencia por 1-0, com o braço lesionado caído e inerte ao longo do corpo. O Benfica chegou ao empate (1-1) com uma bola atirada para o seu lado esquerdo, onde, por força da lesão, não podia lá chegar.

Mas, até ao final do jogo, Azevedo, mesmo só com um braço disponível, ainda rubricou várias defesas com o seu estilo inconfundível e o Sporting acabou por vencer por 3-1. No final da partida, Azevedo foi levado em ombros pelos companheiros sob intensos aplausos do numeroso público presente. Um momento de glória que marcou a sua carreira.

João Azevedo faleceu em 1994 pouco depois de completar 79 anos.