«Também sabemos que o 0-0 pode ser positivo, na perspectiva em que para se passar a eliminatória, só há uma coisa na nossa consciência, ou seja. temos de ganhar», começou por referir Jesus.

O treinador depois explicou que sabe «o que fazer para facilitar as coisas» com os franceses: «Nós definimos que o jogo tem cinco momentos. Desses, destacamos dois muito importantes: a organização defensiva e o nosso ataque rápido. Escolhendo estes dois como prioridades, temos a certeza que passamos. Agora, não lhes vou dizer os conteúdos, mas isto é um princípio do que temos de fazer.»

Quer isso dizer que o Sp, Braga vai arriscando consoante o passar dos minutos? «Aquilo que disse dos momentos quer dizer que vamos jogar na perspectiva da máxima segurança», disse Jesus, para resumir o PSG: «Sabemos que, na Taça UEFA, só perdeu um jogo, com o Schalke, todos os outros venceu: são indicadores de que é uma boa equipa. Mesmo no campeonato é muito forte fora. Perdeu 3-1 com o Marselha, parece que houve facilidades, mas o Camara foi expulso e o PSG passou toda a segunda parte a jogar com menos um.»

De resto, o treinador dos bracarenses admite que vai abordar este jogo «da mesma forma» do da capital francesa. «O PSG vai ser igualzinho a Paris, podem mudar os jogadores. Em relação a Paris, a nossa equipa não vai mudar muito. Agora, em relação à Académica vai ser, como é óbvio, porque fizemos modificações, para dar descanso. As condições físicas dos jogadores obrigam-me a fazer isso. Rentería e Luis Aguiar amanhã vão estar, por exemplo, enquanto César Peixoto e Paulo César ainda não temos a certeza se podem ser lançados.»