Uma felicidade para o jovem filho de emigrantes portugueses, que fez a formação na Suíça. «Fiquei muito orgulho de estar na Selecção principal», referiu aos jornalistas. «É sempre um orgulho estar na Selecção, seja a Selecção A ou B.»

O facto de ser um esquerdino, alimenta-lhe a esperança de regressar à selecção principal. «Não há muitos laterais esquerdos na selecção, cada um tem de dar o melhor para ajudar. Eu dou sempre o melhor, se Carlos Queiroz me chamar vou estar sempre pronto para a Selecção principal e vou dar sempre o meu melhor.»