A FIGURA: Anderson Talisca

Marcou na Luz a época passada, repetiu o feito no Dragão. E logo da forma mais improvável: um cabeceamento certeiro após cruzamento de Ricardo Quaresma na direita. Assobiado, muito assobiado, mas sempre muito acertado em todas as ações. Sofreu uma mão cheia de faltas, segurou a bola, irritou os adversários. Bela noite.

O MOMENTO: Tosun trava a ascensão do FC Porto (minuto 28)

O FC Porto vivia o melhor momento na partida, quando Tosun arriscou de longa distância e Iker Casillas facilitou. Morria nesse pontapé imprevisto a ascensão dos dragões no jogo. Daí até ao fim, em boa verdade, a equipa de Sérgio Conceição não voltou a ser afirmativa e convincente. Uma tempestade turca.

OUTROS DESTAQUES

Iker Casillas

Não merecia o mau momento no segundo golo do Besiktas. Numa noite especial, de recorde, abordou mal o pontapé de Tosun – defensável – e deixou a bola passar entre as luvas. Até começou bem, a agarrar com segurança os cruzamentos, mas a exibição fica manchada pelo erro anormal do espanhol.

Ricardo Quaresma

A casa do Mustang é o Dragão. Substituído aos 72 minutos, recebeu uma enorme ovação de todo o estádio. Ninguém levou a mal a assistência perfeita para o golo de Anderson Talisca, além de uma ou outra maldade, sempre carregada de talento. Uma exibição à altura dos pergaminhos ostentados no lar do FC Porto.

Óliver Torres

Um remate ao poste, uma assistência de calcanhar para Brahimi, várias recuperações de bola. Tudo isso não foi suficiente para convencer Sérgio Conceição. Óliver foi substituído ao intervalo, com grande surpresa. E não se pode dizer que a equipa tenha ficado a ganhar.

Brahimi

O Dragão pode irritar-se com os seus exageros, mas não há outro desequilibrador deste quilate no FC Porto. Rodopiou e fintou, defendeu muito, quis a bola, pegou na equipa várias vezes ao colo, mas também decidiu algumas vezes mal. Sem fazer uma exibição gigantesca, Brahimi foi um dos mais sólidos do princípio ao fim.

Cenk Tosun

Muito, muito bom jogador este ponta-de-lança turco. Trata bem a bola, é agressivo e só tem olhos para a baliza. É certo que Casillas não fez o que devia, mas o segundo golo do Besiktas nasce na crença deste avançado.

Moussa Marega

Está no golo do FC Porto, ao cabecear contra Tosic antes da bola desviar, e voltou a ter bons momentos sempre que teve espaço. O pior esteve nos instantes em que era imperativo acariciar a bola, recebê-la com agrado e entrega-la redonda. Aí sim, percebeu-se o quão limitado é Marega em determinados momentos do jogo.