A Figura

Matheus Pereira

É um jogador cheio de confiança, e após o golo na jornada anterior, onde deu a vitória à sua equipa no terreno do Belenenses, voltou a apresentar-se em boa forma, agora em Chaves. Rápido e fazendo uso da sua técnica, foi muito fustigado por faltas, a única maneira de o travar. Mas também conseguiu mostrar momentos de bom futebol. Aos 33 atirou ao poste num remate espetacular que levava selo de golo. Aos 69 minutos inventou mais uma jogada, ao levar a bola até à entrada da área e a disparar rasteiro e colocado, mas Vagner não permitiu com uma enorme defesa.

Momento do jogo

Minuto 33 – o ferro travou obra de arte de Matheus Pereira. Numa altura em que o Chaves assumiu definitivamente o controlo do encontro, o extremo que pertence ao Sporting teve um momento de genialidade ao rematar em jeito fora do alcance de Vagner e só o poste evitou o golo. Foi uma das muitas situações criadas pelos transmontanos e que ao não ser transformada ditou o nulo no marcador.

 

Outros destaques

Jefferson

O melhor jogo do médio defensivo brasileiro com a camisola do Chaves. Forte nas recuperações de bola, travando muitos ataques do Boavista, foi também importante no lançamento do ataque, acertando muitos passes, quer curtos, quer longos.

Ruben Ferreira

A aproveitar a ausência de Djavan, tem sido o titular da ala esquerda e está claramente em crescendo de forma. Seguro defensivamente, onde cumpriu a sua tarefa, no ataque foi também um elemento importante e a sua equipa procurou-o muitas vezes. Aos 24 minutos esteve perto do golo ao disparar forte mas ao lado. Na segunda parte foi-se resguardando mais, para aguentar os 90 minutos mas manteve nota positiva.

Stéphane Sparagna

O central francês foi o comandante da sua defensiva, com ações importantes e decisivas para evitar o golo flaviense. Aos 30 evitou que Hamdou se isola-se ao recuperar em velocidade quando o extremo já ia lançado. Aos 53 foi amarelado após entrada dura sobre Platiny. Importante no jogo aéreo para manter o Chaves longe do golo nas bolas paradas.

Rochinha

Irrequieto e rápido na frente de ataque, foi dos mais perigosos da sua equipa, nunca se escondendo da partida. Aos 40 minutos tentou o golo ao rematar quase sem ângulo para defesa segura de António Filipe. Aos 57 isolou-se mas não conseguiu o remate, servindo Vítor Bruno para a melhor situação da sua equipa. Até ao fim foi dos mais inconformados da sua equipa.