A FIGURA: Bas Dost, a dobrar a meia centena na Liga em ano e meio

Há um lance ainda numa fase precoce do jogo no qual o público exaspera perante a definição do holandês, que preferiu servir um companheiro quando estava em boa posição para visar a baliza. Bas Dost é isto: uma mistura de (poucas) decisões duvidosas aparentemente sem explicação com muitos golos. Abriu a contagem, e marcou o terceiro e o quarto da noite: pé esquerdo, pé direito e cabeça. Já leva 16 golos nesta época e 50 só para a Liga desde que chegou a Portugal na época passada.

O MOMENTO: golo de Bryan Ruiz, minuto 50

A equipa de Jorge Jesus foi para o intervalo em vantagem no marcador, mas esteve longe de ser arrasadora nos primeiros 45 minutos. O descalabro maritimista começou com uma trapalhada dos homens de Daniel Ramos no lance que originaria o 2-0 de Bryan Ruiz. Foi o início do desmoronamento de uma equipa que tem na qualidade defensiva uma das suas grandes virtudes.

OUTROS DESTAQUES

Bruno Fernandes: algo escondido no jogo na primeira parte, subiu de rendimento na etapa complementar, na qual foi mais interventivo no jogo, com reflexos notórios no marcador. Aproveitou da melhor forma uma falha na saída do Marítimo para lançar Bryan Ruiz para o 2-0, ofereceu de bandeja o terceiro a Bas Dost, disparou um míssil que Charles não conseguiu segurar no 4-0 e repetiu a receita no 5-0 de Acuña. Fecha a primeira volta da Liga com influência direta em 12 golos dos leões, com sete remates certeiros e cinco assistências. Notável.

Fábio Coentrão: ainda que sem grandes correrias, revelou bom envolvimento no plano ofensivo. Foi dele o primeiro momento de algum frisson em Alvalade, com um remate perigoso aos 9 minutos e quase aproveitava, aos 36’, uma saída de urgência de Charles da baliza. Atento nas missões defensivas, foi eficaz no auxílio aos centrais, com uma ou outra dobra importante, sobretudo na primeira parte. Tem uma quota importante no lance que dá origem ao 3-0.

Ristovski: entrega notável do lateral macedónio que, chamado a render Piccini, voltou a dar boa conta do recado, com incursões ofensivas dignas de registo.

Bryan Ruiz: surpresa no onze do Sporting no lugar do argentino Marcos Acuña, foi titular pela primeira vez num jogo para a Liga desde maio de 2017. Discreto, pareceu quase sempre um corpo estranho à equipa de Jorge Jesus, situação que o tornava num candidato à saída no final da primeira parte. Ainda assim, deixou assinatura na partida, ao anotar o 2-0 do Sporting a passe de Bruno Fernandes: não marcava desde 25 de fevereiro. Saiu pouco depois da hora de jogo para dar lugar a Acuña.

Fabrício Baiano: estreia na Liga a titular e apenas o segundo jogo ao serviço da equipa principal do Marítimo, ele que jogou quase toda a primeira metade da época nos bês do conjunto insular. Teve poucas oportunidades para se mostrar, mas o que fez justifica mais oportunidades. Fica na retina a forma como deixou André Pinto para trás no início da segunda parte e quase marcou no minuto anterior ao 2-0 do Sporting.

Gamboa: bem no trabalho de contenção no meio-campo do Marítimo na primeira parte. Na etapa complementar ainda assustou Rui Patrício com um remate aos 60 minutos. Saiu na reta final da partida quando o resultado da partida era de 3-0.