FIGURA: HÉLDER FERREIRA

O jovem fafense vestiu a pele de justiceiro e carimbou o triunfo para o V. Guimarães já para lá da hora. Depois de ter falhado uma oportunidade flagrante o jovem extremo que saltou do banco fez também saltar o Estádio D. Afonso Henriques. No último fôlego teve lucidez para apontar um golo cheio de intenção. Primeiro golo na equipa principal do V. Guimarães, há muito perseguido, a ter um sabor especial pela forma como surgiu.

MOMENTO: GOLO AO 90+4 MINUTOS

Livre cobrado por Raphinha para a área, Caio Secco sai de entre os postes para dar um safanão arrojado no esférico. A bola cai em Hélder Ferreira, que remata de primeira de forma certeira para o fundo das redes. Golo no último suspiro.

POSITIVO: DIA INTERNACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Os jogadores do V. Guimarães e do Feirense entraram em campo acompanhados de pessoas portadoras de deficiência, sendo que Pedrão empurrou mesmo uma cadeira de rodas na subida ao relvado. O emblema vimaranense assinalou o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, que teve lugar no último dia, e antes do apito inicial todos os jogadores e elementos da equipa de arbitragem posaram para a foto com as referidas pessoas com deficiência. Momento muito aplaudido apesar de terem estado poucos adeptos no estádio.

NEGATIVO: DIFICULDADES FÍSICAS NO VITÓRIA GUIMARÃES

O escalonamento da equipa do V. Guimarães por parte de Pedro Martins foi uma autêntica epopeia. Marcos Valente, Vigário, Wakaso, Rafael Martins e Texeira estão lesionados e não entraram nas contas. Tallo subiu mais cedo para o aquecimento para aferir se realmente estava em condições de alinhar, mas acabou por ser Hurtado a saltar do onze para dar lugar a Sturgeon. À passagem da meia hora de jogo Celis teve de ser substituído, entrando Francisco Ramos. Demasiadas contingências para o técnico do Vitória.

OUTROS DESTAQUES

Sturgeon: a surpresa no onze do V. Guimarães em virtude da lesão de Hurtado, o extremo jogou no corredor central e, mesmo nem tudo lhe tendo saído bem, esteve muito interventivo com vontade de mostrar serviço. Destacou-se pela entrega, pela pujança que entregou a cada duelo.

Flávio Ramos e Rocha: muito requisitada, a dupla de centrais do Feirense esteve constantemente em jogo. Tanto Flávio Ramos como Luís Rocha fizeram um jogo regular, seguro e sem grandes equívocos, mantendo a sua área livre de perigos de maior.

Raphinha: mesmo num jogo em que não teve o protagonismo habitual o extremo brasileiro conseguiu mexer com o jogo, imprimindo de quando em vez a sua velocidade ao encontro. Fabricou o golo que Hélder Ferreira recusou.

Babanco: esteve em todas. Versátil, o médio do Feirense foi o estratega do posicionamento defensivo da equipa de Santa Maria da Feira e foi o mais lúcido e o mais capaz quando a equipa teve bola. O centro de operações do Feirense.