Figura: Ghazaryan

O internacional arménio esteve sempre muito ativo na partida, denotando um grande espírito de sacrifício, o qual, coletivamente, e em abono da verdade, foi a grande arma do Marítimo para vencer o Sporting. A eleição como figura da partida é construída em parte pelo golo que marcou. Surgiu de um remate fraco e ainda teve uma ‘ajudinha’ de Rui Patrício, é certo, mas foi desferido com muita crença e carregando o todo o sentimento da sua equipa.

Momento: 2-1: 90+2 minutos

O golo de Ghazaryan já em período de descontos matou o jogo e selou a péssima exibição do Sporting ao longo da partida. Rui Patrício deixou-se surpreender quando muitos já apostavam no empate.

Outros destaques:

Joel Tagueu – Foi sempre uma dor de cabeça para os centrais leoninos, que vinham avisados para não dar muito espaço ao veloz e robusto avançado camaronês. O golo que marcou elevou para nove na época que agora chegar ao fim, mas que só disputou meia, uma vez que chegou em janeiro.

Pablo e Zainadine – Dupla de centrais da equipa madeirense esteve sempre em cima dos acontecimentos, marcando bem à zona, sem medo dos duelos individuais e com muito poder de antecipação.

Bruno Fernandes – A certa altura deu pena ver jogar Bruno Fernandes. Não que estivesse a jogar mal, mas sim porque os restantes colegas de equipa, com a exceção de Gelson Martins e de Bas Dost, pareciam pouco interessados em colaborar.

Fábio Coentrão – Despedida sem glória. O lateral emprestado pelo Real Madrid protagonizou este domingo uma das piores exibições desde que começou representar o clube do seu coração. Não esteve bem e Jorge Jesus tirou-o muito cedo do jogo (54’). Cometeu a falta, em zona quase proibida, que deu o livre que culminou com o golo de Joel, e no qual ficou a ver...