Artigo original: 21h16

Rui Vitória, treinador do Benfica, em conferência de imprensa após a goleada ao Marítimo (5-0), para a 25ª jornada da Liga:

 [tirou Fejsa para gerir a condição física? E sentiu-se tentado a tirar Jonas pelo mesmo motivo?] «Primeiro, foi premiar quem entrou, sobretudo o Samaris e o Douglas que têm jogado menos. Depois, porque sabemos a forma como temos de gerir os jogadores, nomeadamente o Fejsa, que precisava, se possível, de não passar muito desse tempo de jogo. Por nada de especial, apenas para gerir um pouco, e o Samaris também faz bem aquela posição. Em relação ao Jonas, essa era uma análise. A outra era a possibilidade de fazer um póquer, ou como se diz isso. Basta olharmos um para o outro para entendermos quando é para ele sair. Se eu entender tirá-lo, evidentemenmte que tiro, mas hoje não estava a chegar o tempo [para sair]. De repente podia fazer mais um golo, que seria bom para ele e bom para nós. Não tem regra.»

 

 [sobre a dependência de Jonas] «É redutor falar nisso. É um belíssimo jogador, mas quem vê a nossa equipa a jogar, vê que está com uma dinâmica grande, com uma qualidade de realçar. O Jonas é importante, como todos os grandes avançados do mundo são nas equipas. E se não fosse o Jonas, era o Raúl ou Seferovic. Fundamentalmente é um trabalho coletivo. É revelador da qualidade do Jonas, mas é redutor para a equipa. Preparamos bem as situações para finalizar. Fizemos cinco golos, poderíamos fazer mais, se não abrilhantássemos uma ou outra jogada. Até fico mais amargurado com essa análise porque o Jonas, na época passada, não fez mais de metade dos jogos e fomos campeões. Se calhar este ano está a fazer os golos que não fez na época passada, mas isso é fruto do trabalho da equipa. O Jonas é o primeiro a abraçar um colega que faz golo, a ficar satisfeito com o colega que lhe passa a bola. É um trabalho coletivo que tem de ser realçado, a festejar um golo do colega. A minha equipa está a jogar com qualidade, com uma dinâmica muito boa e, neste caso, os jogadores mais próximos da baliza têm mais condições para fazer golo.»