«Essa foi a mensagem que lhes transmiti: a concentração tem de ser diária», garantiu. «Temos de ser uma equipa mais competente e dignificar a camisola que vestimos. Sabemos que temos sempre os nossos adeptos a apoiar-nos», referiu ainda, citado pela agência Lusa, destacando o facto de o clube ser «histórico» e de ter trabalhado muito «para aqui estar».

Para Petit, o próximo oponente no campeonato é uma «uma equipa muito bem orientada, com um plantel que já se conhece há quatro ou cinco anos e que tem uma maneira muito própria de jogar e muita qualidade». O técnico acrescentou que «a seguir aos três grandes, o Paços é a equipa que joga melhor». «Jogam muito bem, têm os processos muito bem delineados e são uma equipa que gosta de ter a bola», detalhou ainda, acrescentando que o seu forte, porém, é o «coletivo».

Em suma, Petit considerou que este vai ser um «jogo difícil», mas que os jogadores do Boavista vão estar «preparados» para o enfrentar. «Se a equipa estiver concentrada e for humilde e solidária será difícil alguma equipa ganhar aqui», concluiu o técnico do Boavista, que deixou ainda garantias quanto à chamada aos convocados do recém-contratado Uchebo, numa altura em que não pode contar com os avançados Fary (operado esta semana) e Pouga (ainda lesionado).