A figura:

Bruno Moreira: Sempre com os olhos no golo, teve, na primeira parte, uma mão cheia de oportunidades. Embora não tenha conseguido concretizar, foi uma dor de cabeça para o guarda-redes Mika, que via a bola passar demasiado perto dos postes, ou era obrigado a mostrar reflexos rápidos. Até que, a 18 minutos do final, fez o golo que solidificou a vantagem pacense e que o faz o melhor marcador português do campeonato.

Outros destaques:

Uchebo: Petit lançou o internacional nigeriano na reação ao golo do Paços de Ferreira, ainda na primeira parte e o avançado trouxe de imediato algum dinamismo ao ataque, embora ainda se note alguma falta de entrosamento com a restante equipa, mostrou-se sempre muito perigoso e, a cinco minutos do final do encontro, frente a Defendi, coroou a estreia com um golo que fez o Boavista voltar a acreditar.

Quincy: O jogador que mais deu nas vistas no meio campo pacense. Muito móvel, foi variando o flanco e ficou melhor em jogo com a entrada de Uchebo. Foi também, a par com o nigeriano e Tengarrinha, um dos únicos que nunca desistiu de chegar ao golo.

Edson Farias: Estreia como titular na equipa pacense a aproveitar a paragem de Cícero por lesão, e a mostrar argumentos que podem convencer Paulo Fonseca a inclui-lo mais vezes no onze. Não se limitou a marcar o golo inaugural (como se fosse pouco), como criou todo o lance numa excelente recuperação de bola no meio campo advserário. Com pormenores individuais muito interessantes, este ainda na origem de mais alguns lances do ataque pacense.

Sérgio Oliveira: Peça fundamental no meio campo pacense, voltou a mostrar-se muito bem nas transições, a levar a equipa para o ataque. Responsável ainda por uma mão cheia de cruzamentos para a área, um deles deu origem ao golo de Bruno Moreira.