FIGURA: José Sá

Exibição destemida e arrojada. Soube responder a uma noite menos feliz dos azuis e brancos, esteve em bom plano e foi crucial para que o descalabro não fosse maior para a equipa de Conceição. Resolveu várias situações de perigo, ora a soco ora a demonstrar boa leitura de jogo a jogar em antecipação. A saída aos pés de Salvador Agra na primeira metade, quando o extremo estava completamente sozinho, ficou na retina. Prestação segura do guarda-redes, nada podia fazer no golo sofrido.

MOMENTO: golo de Vítor Gomes (63m)

Movimentação de Amilton no corredor esquerdo, a conseguir posicionar-se para tirar o cruzamento açucarado para o coração da área. Vítor Gomes fez o resto, atacou bem o esférico nas costas de Felipe aproveitando a má abordagem do defesa brasileiro ao lance, reestabelecendo o empate. Marcou pelo segundo jogo consecutivo o médio.

NEGATIVO: Corona

Deixou o conjunto de Sérgio Conceição em inferioridade numérica logo nos instantes iniciais da segunda metade, ainda antes de disputados dez minutos. Numa exibição pouco conseguida, se o primeiro amarelo se pode considerar cirúrgico ao não permitir que a sua equipa ficasse desequilibrada na defesa, o segundo deixou muito a desejar. Expulsão tão justa quanto irresponsável de Corona. Deixou o FC Poto com menos um elemento mais de meia hora e falha o clássico com o Benfica.  

OUTROS DESTAQUES

Ricardo Pereira

Deu nas vistas pelo golo, pela forma como conseguiu arranjar espaço nas costas da defesa, algo o FC Porto teve dificuldade em conseguir. Golo importante para dar supremacia a um dragão tranquilo, a abrilhantar mais uma exibição muito competente. Segundo golo de Ricardo Pereira esta época.

Salvador Agra

Tem sido o expoente máximo do ataque do Aves e esta noite voltou a estar em plano de destaque. Rapidíssimo, o extremo emprestado pelo Benfica foi sempre uma ameaça. Traçou vários rasgos interessantes, tendo apenas ficado aquém do esperado quando apareceu isolado na cara de José Sá.

Soares

A dupla de avançados do FC Porto teve de se cingir a um jogo de luta, sem espaço para soltar o seu talento perante um Aves com três centrais. Regressado à competição mais de dois meses depois, o brasileiro foi a surpresa e teve argumentos para fazer a diferença. Passe superior para Ricardo Pereira abrir o ativo. Foi o sacrificado após a expulsão.

Amilton

Uma seta constantemente apontada ao último reduto portista. Muito forte fisicamente, velocíssimo e repentino ousou várias vezes o remate, pecando apenas no capítulo da finalização. Tirou o cruzamento que valeu o empate à equipa que este ano regressou ao convívio com os grandes do futebol português.