Já são conhecidos os traços gerais das contas dos três «grandes» relativas à época 2016/17, depois de o FC Porto ter anunciado nesta quinta-feira os resultados do seu exercício. Os dados divulgados por Benfica, FC Porto e Sporting permitem perceber como os «dragões», que reduziram perdas mas são os únicos a apresentar prejuízo, evidenciam alguma redução de custos. Ao contrário dos rivais, ambos apoiados em exercícios extraordinários no que diz respeito a vendas de jogadores, que aumentaram despesas e nomeadamente salários. Mostram ainda como apenas o Benfica não aumentou o passivo neste exercício.

O Benfica, recorde-se, apresentou lucro de 44,5 milhões de euros, valor recorde para a SAD «encarnada», numa época em que fez 122.9 milhões de euros com vendas de jogadores. O Sporting apresentou 30,5 milhões de euros positivos, numa época em que os ganhos com jogadores foram de 92,9 milhões de euros. Quanto ao FC Porto, apresentou prejuízos de 35.5 milhões, depois dos 58,4 milhões de perdas no exercício anterior e de ter entrado em incumprimento com as regras de fair play financeiro da UEFA. Esses números são os valores consolidados, porque o resultado individual da SAD para 2016/17 é de prejuízos de 39,1 milhões de euros.

Apenas Sporting e FC Porto divulgaram até agora os relatórios completos com a discriminação de várias das vertentes da atividade da SAD, enquanto o Benfica apenas revelou os mapas genéricos de resultados. Ainda assim, é possível comparar alguns pontos relevantes da atividade de cada um.

Sporting é quem mais aumenta gastos, Benfica dispara nos custos com pessoal

O FC Porto foi o único dos grandes que diminuiu gastos, de 124.425 milhões para 121.878. O Sporting regista o maior aumento, 18.4 milhões entre os 78.494 milhões de 2015/16 e os atuais 96.926. Um acréscimo que se explica em grande parte pelo aumento dos gastos com o pessoal, mais 15 milhões de euros.

O Benfica também aumenta genericamente os gastos, mais seis milhões de euros que no exercício anterior. Mas a grande subida nos custos das águias é com o pessoal: 74.697 milhões, contra 61.456, mais 13 milhões de euros.

O Benfica é o único que apresenta saldo positivo no balanço entre gastos e rendimentos operacionais, sem transação de jogadores, 3.971 milhões de euros. Para FC Porto e Sporting, esse balanço é negativo, com mais gastos que receitas, em 22.8 milhões no caso do FC Porto e em 16.925 milhões no caso dos leões.

Gastos operacionais (excluindo transações de jogadores)

Benfica: 124.264 milhões (118.170 em 2015/16)

FC Porto: 121.878 (124.425)

Sporting: 96.926 (78.494)

Custos com pessoal

Benfica: 74.697 (61.456)

FC Porto: 73.263 (75.790)

Sporting: 63.998 (48.865)

Receitas, aumentos em tons diferentes

Todos apresentam aumento de receitas, mesmo sem transação de jogadores, sendo o FC Porto quem mais ganhou: um acréscimo de 23 milhões em relação ao exercício anterior, cuja maior fatia vem das competições europeias. Os dragões registaram nesta temporada ganhos de 30 milhões pela participação na Champions, onde chegaram aos oitavos, contra 11,603 milhões na época passada.

Segue-se o Sporting, com ganhos de 11.251 milhões de euros, também com um aumento substancial relativo à participação nas competições europeias. O Benfica aumentou a receita em 2,1 milhões de euros.

A discriminação da origem das receitas é dificultada pela forma como o Benfica apresentou os dados na comunicação feita até agora, onde não refere a participação nas competições europeias, englobando-a nas três categorias que apresenta: direitos de televisão, receitas de bilheteira e comercial.

Olhando para os dados da época passada, é possível alguma extrapolação com base nos dados divulgados pelo Benfica aquando da apresentação de contas. Os «encarnados» falaram, por exemplo em aumento das receitas de televisão em 5,3 milhões. Esse valor era de 33,434 em 2015/16, portanto pode-se estimar um valor de 38,7 milhões. O total comunicado pelo Benfica é de 70.721 milhões.

Rendimentos operacionais (excluindo transações de jogadores)

Benfica: 128.235 (126.075)

FC Porto: 98.997 (75.811)

Sporting: 80.001 (68.750)

Competições europeias

Benfica: Não discriminado, englobado nas outras categorias

FC Porto: 30.837 (11.603)

Sporting: 14.942 (8.486)

Direitos televisivos

Benfica: 70.721 (68.590)*

FC Porto: 23.932 (22.314)

Sporting: 25.895 (24.809)

Bilheteira

Benfica: 24.405 (22.051)*

FC Porto: 7.711 (6.259)

Sporting: 16.017 (14.198)**

* Valores que englobam receitas da UEFA

**Inclui bilheteira e bilhetes de época


Patrocínios e publicidade

Benfica: 33.109 (35.434)

FC Porto:  14.115 (14.183)

Sporting: 11.684 (9.921)

Vendas em grande para Benfica e Sporting: as nuances de cada um

Benfica

As contas apresentam rendimento recorde de 122.995 milhões de euros em vendas. Mas subtraem-lhes 43.728 milhões em «amortizações e perdas de imparidade de direitos de atletas», mais 20.333 em «gastos com transações de direitos de atletas», neste caso um aumento de cinco milhões em aquisições, a maior fatia deste item, em relação aos 15.011 milhões da época passada. O saldo com transações de jogadores é de 58.934 milhões de euros positivos.

FC Porto

O FC Porto anuncia 64,8 milhões de euros de proveitos com passes de jogadores, a que subtrai 23,5 milhões de euros de custos e ainda 37.861 milhões em «amortizações e perdas por imparidade com passes». Portanto, o saldo no que diz respeito a transações de jogadores é de 4,5 milhões positivos, ligeiramente acima dos 2.591 milhões da época passada. O FC Porto detalha um pouco mais no relatório a questão das amortizações e imparidades, justificando também o seu aumento em relação à época anterior com aumento de custos em aquisições e também rescisões com vários jogadores: «As amortizações e perdas por imparidade com passes de jogadores registaram um valor de 36.781m€, o que representa um aumento de 5.224m€ relativamente ao período anterior, que espelha um acréscimo dos custos com as aquisições de direitos desportivos de jogadores efetuadas em 2016/2017. Estão aqui também refletidas as perdas por imparidade relativas ao valor do passe dos jogadores que vieram a rescindir contrato no último mercado de transferências (julho e agosto de 2017).»

Sporting

O Sporting anunciou 92.997 milhões de euros de rendimento em vendas, números que pulverizam o do exercício anterior, que era de 8.556 milhões. Registou 15.089 milhões na aquisição de passes, embora no relatório e contas, quando discrimina os jogadores contratados neste período, revele que os custos totais foram de 43.552 milhões.

No balanço, somando aos gastos de 15.089 milhões registados e ainda a amortizações e perdas por imparidade com passes, que é de 18.359 (9.332 em 2015/16), o saldo é positivo em 59.549 milhões. 

Sporting e FC Porto aumentam passivo, Benfica baixa mais ainda lidera

O Benfica ainda tem o maior passivo dos três, mas foi o único que reduziu neste exercício. O maior aumento é do Sporting, de 249.2 para 310.8, uma subida de 61,5 milhões de euros.

O FC Porto melhorou no saldo global, mas aumentou o passivo em 38,3 milhões de euros: de 349.2 milhões para os atuais 387.5.

O Benfica diminuiu-o em 3.7 por cento, de 455.5 milhões para os 438.3 milhões revelados neste exercício.