FIGURA: Marcano

Central competente a formar uma dupla sólida com Felipe no eixo da defesa dos azuis e brancos. Destacou-se pela predominância que teve no desfecho do encontro. Quase não se dá por ele, evita situações de risco e resolve os focos de problema com tranquilidade, quase sempre em antecipação. Numa altura em que o FC Porto fazia das bolas paradas a principal arma para criar perigo o espanhol de trinta anos foi à área adversária cabecear com enorme convicção para o fundo das redes. Sétimo golo da época a carimbar os derradeiros três pontos da época para a equipa de Conceição. Prestação produtiva naquela que poderá ter sido a despedida de Marcano do FC Porto.

MENÇÃO HONROSA: Alex Telles

Cruzamento com as medidas certas a fazer a diferença. Os livres laterais e pontapés de canto do brasileiro são teleguiados, destilam veneno e percebia-se que poderia ser num desses lances que os dragões podiam fazer a diferença. Confirmou-se. Cruzamento irrepreensível para o golo do FC Porto. De resto, cumpriu. Mais um jogo a alta rotação no lado esquerdo.

MOMENTO: golo de Marcano (69m)

Livre de Alex Telles no corredor esquerdo, mais um para o lateral criar perigo, a bola saiu com as medidas certas para o coração da área e Marcano fez o resto. Cabeceamento se mácula, completamente sozinho em zona proibida, a atirar para o fundo das redes sem dar hipóteses a Miguel Silva para fazer muito mais.

NEGATIVO: tumultos nas bancadas

Os primeiros minutos do encontro foram acompanhados por momentos de tensão nas bancadas. Adeptos dos dois emblemas trocaram insultos e tentaram chegar a vias de facto na convergência das duas bancadas. Depois dos insultos passou-se à troca de cadeiras e ameaças de confrontos, tendo a polícia de ser chamada a intervir. Sanada a confusão o perímetro de segurança entre adeptos foi alargado. Estiveram no Estádio D. Afonso Henriques 20090 espectadores.

OUTROS DESTAQUES

Héldon

O mais irreverente do Vitória, tentando pegar no esférico e sair em drible contra o domínio territorial dos azuis e brancos. Aos 39 minutos deixou água na boca ao fintar vários adversários fabricando um lance de perigo que Wakaso desperdiçou de forma disparatada.

Maxi Pereira

Chegou à centena de jogos com a camisola dos dragões com uma exibição regular no lado direito da defesa. Fechou o seu flanco sem permitir que o V. Guimarães criasse situações de perigo. Prestação positiva a assinalar o número redondo por parte do uruguaio.

Rafael Martins

Tentou mostrar serviço no ataque do Vitória e, mesmo numa tarefa complicada entre os centrais do FC Porto, deu luta. Quando estava cumprido um quarto de hora atirou ao lado num lance em que apareceu isolado. Podia ter feito mais, mas ainda assim destaca-se pelas movimentações ofensivas.

Felipe

Eficiente defensivamente mesmo numa tarde sem muito trabalho pela frente. Deu nas vistas na ajuda ao ataque. Na segunda parte fez de extremo, subiu pela direita e evitou vários adversários, arrancando aplausos do Topo Norte.