«Feijão», o herói