Em iniciativa lançada pelo «Guardian», e que conta com a participação do Maisfutebol, foi preparado um «mini-guia» dos grupos do Mundial2018, no qual os textos de cada seleção foram, salvo algumas exceções, elaborados por jornalistas desses mesmo países. Aqui a apresentação de Marrocos, por Amine El Amri (Le Matin):

Os «Leões do Atlas» estão a rugir novamente. Vinte anos após a dolorosa eliminação na fase de grupos do França98, a primeira seleção africana a chegar aos oitavos de final volta ao Mundial. É a quinta presença no mais prestigiado torneio do planeta.  

«Realizámos um sonho. Vamos todos à Rússia, e não será como turistas», disse o capitão marroquino e jogador da Juventus, Mehdi Benatia, após a vitória sobre a Costa do Marfim, que carimbou o apuramento.

Única seleção africana que chegou ao Mundial sem golos sofridos, a seleção de Marrocos está, por isso, suportada numa defesa sólida. A experiência de Karim El Ahmadi, M’barek Boussoufa e Mehdi Benatia combina bem com a inteligência de Hakim Ziyech e com a força de Nordin Amrabat.

Hervé Renard é o líder desta equipa, mas o aconselhamento do adjunto Patrice Beaumelle é vital. Mustapha Hadji (ex-Sporting) é também um elemento-chave, por partilhar as suas experiências, e assumindo-se como uma referência para este geração.

A principal debilidade da equipa é o lado esquerdo da defesa, mas Achraf Hakimi (Real Madrid) tem preenchido essa lacuna de forma admirável, desde setembro.

Como se qualificou: 1º lugar no Grupo C da zona africana, à frente da Costa do Marfim

Sistema preferido: 4-5-1

Estrela: Hakim Ziyech (Ajax)

Jogador a seguir: Sofiane Boufal (Southampton)

Selecionador: Hervé Renard

Odds: 250-1

 

Texto: Amine El Amri, Le Matin