«Vai ser uma galhofa no balneário. Parece que já os estou a ver. Mas cumpro aquilo que prometo. Como perdemos, pintei o cabelo. Vou ligar depois ao Hassan [Yebda] para nos rirmos mais um pouco», admite o jogador navalista ao Maisfutebol, que já tinha experimentado a carapinha loira «quando era mais novo» e acredita que, como o cabelo irá crescer depressa, não estará mais de «15 dias» com este novo visual.

O jogo com o Benfica foi, competição à parte, uma oportunidade de rever o amigo de infância e trocar algumas palavras com ele. «Deu-me os parabéns pelo jogo e depois falámos de outras coisas, pessoais. Ele está muito contente no Benfica e a prova é que assinou por quatro épocas, mas penso que tem todas as qualidades para chegar ainda mais alto», afiança.

Caso a Naval tivesse vencido, seria Yebda a sujeitar-se a um castigo, uma carecada feita pelo próprio Baradji que, para isso, até trataria de levar uma máquina para lhe rapar a cabeça logo a seguir ao jogo. O francês teve, porém, um pressentimento de que isso não iria acontecer. «Deixei cair o aparelho quando lhe peguei, para o meter no saco, e ele partiu-se todo. Não percebi como aconteceu mas pensei: se calhar, é um sinal de que não vou ganhar a aposta», desvenda, apesar de não ser supersticioso.

E que presságio, indagámos, tem o jogador da Naval para o próximo jogo, no Dragão? «Só os deuses saberão. Uma coisa é certa: já não volto a fazer apostas e muito menos com o Hassan [Yebda], senão quem fica sem cabelo sou eu [risos]!»