No final do treino, o técnico aproveitou a presença dos jornalistas para divulgar um comunicado no qual, de uma maneira genérica, agradece a todos aqueles que mostraram preocupação pelo seu estado de saúde e lhe enviaram mensagens de apoio.

«Quero por este meio agradecer a todos os que me ajudaram e apoiaram neste período delicado», escreveu o treinador, deixando um apreço especial à família, ao presidente Aprígio Santos e aos restantes directores. «Ao departamento médico do clube, liderado pelo Dr. Pedro Santos, que tudo fez desde o primeiro momento no sentido de clarificar e solucionar o problema», prossegue no comunicado.

À sua equipa técnica, reconhece-lhe «a forma profissional» e «disponibilidade que demonstrou na liderança e condução da equipa» durante a sua ausência. «Aos meus Jogadores, inexcedíveis no trabalho e pela confiança demonstrada em quem os liderava», acrescenta.

Por fim, uma palavra para o staff do Hospital Distrital da Figueira da Foz, num «muito obrigado» extensível ainda às claques pela «presença e incentivo», amigos, colegas dirigentes, jornalistas, conhecidos e anónimos.

À margem do documento, Ulisses fez algumas declarações circunstanciais, deixando antever que a sua presença no banco com o Benfica não era prioridade: «A equipa tem sido dirigida por gente competente e eu vou apenas emprestar a minha proximidade pessoal, transmitindo toda a solidariedade ao trabalho que tem sido feito. A vida não é só futebol mas eu vivo-o 24 horas por dia. Estes 10 dias contribuíram para que pudesse pensar, sobretudo, em mim próprio.»