O dia 16 do Mundial deu a conhecer o primeiro encontro dos quartos-de-final da prova. Uruguai e Gana desenvencilharam-se de Coreia do Sul e Estados Unidos, respectivamente, e vão discutir entre si um lugar nos quatro últimos deste Mundial, facto que seria histórico para o Gana e uma espécie de despertar para o «monstro» Uruguai, bicampeão do mundo.
Mundial, dia 16: todas as fotos do dia
Os uruguaios não chegavam tão longe na prova maior do futebol mundial desde 1970. Conseguiram-no com um triunfo que parecia que ia ser fácil, quando Suarez inaugurou o marcador logo no início da partida, mas complicou-se com o empate sul-coreano na segunda parte.
Uruguai-Coreia do Sul, 2-1 (crónica)
Contudo, a chuva que caiu abundantemente na parte final da partida abençoou os sul-americanos e, sobretudo, o pé direito de Suarez, que bisou no jogo com um «golaço» de levantar o estádio. Caía o sonho sul-coreano de repetir o brilharete de 2002 e a esperança asiática está, agora, totalmente depositada no Japão.
Mais tarde foi a vez do Gana festejar. Embora não tão cedo como o Uruguai, os africanos também começaram o encontro na frente, permitindo o empate a Donovan, na transformação de uma grande penalidade, já no segundo tempo. Era o terceiro golo do norte-americano na prova, juntando-se, assim, ao topo onde já estavam Higuaín, Vittek, Villa e Suarez.
Mundial: EUA-Gana, 1-2 (a.p.) (crónica)
Mas, infelizmente para os EUA, a noite não terminaria sem novo cliente nessa elite. Asamoah Gyan, já no prolongamento ceifou as aspirações americanas e lançou a euforia nas hostes ganesas.
Mundial, dia 16: a figura do dia
O Gana já fez história com a chegada aos «quartos». Para além de ser a melhor prestação de sempre de um país que se estreou na prova em 2006 (caiu nos «oitavos»), o Gana junta-se a Senegal e Camarões, como representantes africanos a conseguirem atingir esta fase da prova. Se ultrapassarem o Uruguai terão o seu lugar ao sol. Nunca um país africano chegou às meias-finais. Se é certo que o Gana não deslumbrou neste Mundial, como os Camarões em 1990 e o Senegal em 2002, a verdade é que é da equipa de Rajevac a hipótese de honrar África ao mais alto nível, no primeiro Mundial realizado naquele continente. Sexta-feira escreve-se novo capítulo.