O jogo com o Newcastle, este sábado, para a liga inglesa, vai ficar na memória como o primeiro em que Cristiano Ronaldo fez um hat-trick. Depois de ter ficado em segundo lugar na Bola de Ouro, prémio da revista France Football, e em terceiro no galardão da FIFA, este poderá ser o ano do internacional português chegar ao topo. Porém, para Carlos Queiroz, o camisola sete do Manchester United há muito que está no patamar mais alto do futebol mundial.
«Este não é o ano de Cristiano Ronaldo, é mais um ano dele. Jogou muito bem, ontem, e na segunda parte, tal como aconteceu aqui, a equipa esteve mais colectiva, mais disponível para jogarem uns com os outros. Às vezes somos uma equipa de dribles, de fintas, mas quando asseguramos o passe e o movimento, os dribles também ficam mais fáceis. Foi isso que aconteceu na segunda parte, a equipa foi mais colectiva, mais instruída em termos de saber jogar bem nos espaços muito apertados que havia na defesa do Newcastle. Depois, o talento individual a capacidade e a inspiração de cada um acabou por fazer o resto», disse o adjunto de Alex Ferguson, após o encontro entre Angola e Egipto, da qual foi um espectador atento.
Queiroz explica contratação de angolano
Queiroz brincou depois com o hat-trick de Cristiano Ronaldo, o primeiro da carreira do internacional português. «Temos mais cinco meses e tem de fazer mais 23 golos, na segunda parte», riu Carlos Queiroz, obviamente satisfeito com o desempenho do camisola sete dos red devils, que já leva 16 golos na Premierleague e 22 no total das competições.