Os pacenses estão quase seguros da permanência no escalão principal. A luta pela manutenção parece resumida a três, mas a equipa de Paulo Sérgio não pode distrair-se. Mesmo que este pareça, para o Paços, quase um jogo de cumprir calendário, a verdade é que cair na ilusão de que o cinto de segurança não falha, pode trazer dissabores.

Cabe ao treinador fazer passar a mensagem, de que este não é apenas um encontro agendado desde início de época. Os pacenses não podem jogar apenas pelo brio profissional, mas sim pela conquista de três pontos que, com certeza, garantem uma estabilidade importante, para as jornadas finais.

Cajuda ainda sonha

Perder com o F.C. Porto não é coisa para grandes preocupações. O campeão vai em força, ganha pontos a toda a gente e fê-lo no D. Afonso Henriques numa exibição personalizada. Mas ainda teve de sofrer, e é a isso que os vitorianos se devem agarrar, para erguer a cabeça depois da derrota caseira.

O treinador Manuel Cajuda não pode estar apreensivo depois dos 3-1 da jornada anterior. Pelo contrário, segundos depois de perder com os portistas, o próprio técnico declarou que o Vitória está melhor que há três meses. É talvez por isso que na formação minhota ainda se sonha com a ida a uma prova europeia.

A nove pontos do quinto posto, onde mora o Nacional, os vimaranenses têm de recuperar tempo perdido, nesta ponta final. É certo que, até aos alvinegros, têm Leixões e Marítimo pela frente, mas não há impossíveis, até porque ficar em sexto, pode abrir uma porta europeia.

Equipas prováveis

P. Ferreira

Cássio; Ricardo, Danielson, Kelly e Jorginho; Paulo Sousa, Filipe Anunciação, Dedé e Rui Miguel; Edson e Cristiano

V. Guimarães

Nilson; Andrezinho, Gregory, Moreno e Milhazes; Flávio Meireles, Fajardo, Desmarets e Nuno Assis; Marquinho e Roberto