Sim, hoje é dia para dedicar umas linhas a esta equipa que Against all odds, como na canção de Phil Collins, lidera a Premier League com surpresa - mas com mérito e brilhantismo.

Não sou adepto nem simpatizante do Leicester mas, depois de ver esta caminhada na liga inglesa, e depois do jogo do passado sábado, em casa do Manchester City, os foxes passaram a ter mais um a apoiar.

Aqueles 90 minutos no Ethiad em Manchester não são obra do acaso e muito menos sorte. Foram, sim, a demonstração de uma equipa com qualidade, bem trabalhada e que não acredita em impossíveis.

Não tem nomes sonantes, não tem os melhores jogadores, gasta muito menos do que os habituais candidatos, não tem o peso de um grande clube, mas tem uma grande equipa, tal é o trabalho que os seus jogadores fazem, a forma junta como atuam e a alma que colocam em campo.

Não sei se vão ser campeões, mas o que têm feito, ainda para mais na liga mais competitiva e difícil da Europa, merece o reconhecimento de todos.

Chegar à 25ª jornada na luta com os habituais candidatos – e, mais do que isso, à frente deles - é extraordinário. O seu registo fala por si e atesta o valor desta equipa. Melhor ataque, a par do Manchester City com 47 golos, sexta melhor defesa, 15 vitórias, oito empates e duas derrotas - com o Arsenal em casa (2-5), a 26 de setembro e na visita a Liverpool (0-1), a 26 dezembro.

O comportamento da equipa tem sido impressionante e funciona de forma simples. Defender bem, com muita pressão, e chegar rápido à baliza contrária são as suas principais directrizes. É uma equipa organizada, com um futebol prático e objetivo.

Os jogadores sabem quais os momentos para defender e têm muito bem trabalhados os momentos de saída para o ataque. Mal recuperam a bola procuram o espaço, para a velocidade de Vardy, e o resultado tem sido muito bom.

Como qualquer equipa, também esta tem as suas figuras. Desde logo o seu treinador, Claudio Ranieri. Aos 64 anos, chegou à equipa no último verão, 11 anos depois da experiência de três anos no Chelsea. A forma como a equipa se apresenta em cada jogo, sabendo perfeitamente o que tem de fazer, tem muito do saber deste treinador italiano.

 

Claudio Ranieri

Com uma carreira maioritariamente desenrolada em grandes clubes de Itália, com passagens por Espanha, Inglaterra, França e pela seleção da Grécia, Ranieri nunca foi campeão nacional. Tem, provavelmente num dos clubes com menor dimensão que treinou, a possibilidade de ser campeão na maior e mais competitiva liga do mundo. Um grande prémio pode estar a caminho, para um final de carreira que se aproxima.

Jamie Vardy é a maior figura da equipa. É o goleador, a sua história de vida é impressionante e já foi aqui contada na MF Total. Aos 29 anos, faz da velocidade a sua principal arma e não dá descanso aos defesas. Chegou a internacional inglês no ano passado e nesta época já soma 18 golos, liderando a lista de melhores marcadores. A presença no Europeu em França, pela sua selecção vai, provavelmente, tornar ainda mais inesquecível esta temporada.

 

Festa após o golo de Mahrez

Riyad Mahrez, o argelino de 24 anos, tem tido também um bom rendimento. É dos primeiros a procurar a saída rápida da equipa mas também encontra tempo para pormenores de qualidade e para marcar, da forma brilhante como fez, ainda no sábado. Já soma 14 golos: em conjunto, ele e Vardy têm 68% dos golos marcados pela equipa.

Faltam 13 jogos e há muito tempo pela frente mas o próximo domingo pode ajudar a definir algumas coisas. Os quatro primeiros classificados defrontam-se: enquanto o Leicester vai ao Emirates defrontar o Arsenal, o Manchester City recebe o Totenham. Que jogos vão ser! E vamos ter luta até final mas uma coisa é certa: o Leicester está a fazer história e continua a querer escrevê-la. Após 132 anos de existência, o sonho pode tornar-se real.