As ausências de Suazo, Carlos Martins e Ruben Amorim frente à Naval já eram esperadas. Quique Flores prefere desvalorizar a questão, assegurando que tem boas alternativas: «Essas ausências já estavam interiorizadas como certas. Temos outros jogadores, que estão a fazer bons treinos.»

Quanto à Naval, adversário da 21ª jornada, o treinador encarnado avisa que a equipa da Figueira da Foz não pode ser subestimada: «Preocupa, porque estaremos perante uma daquelas equipas que são mais do que mostram na classificação. Sabemos que temos de apresentar uma grande concentração.»

«Há uma pequena confusão»

O Benfica não poderá contar com Ruben Amorim para o lado direito do sector intermediário. Quique Flores tem apostado no médio para dar cobertura ao flanco, com excepção ao último jogo com o Leixões, mas garante que a presença de Amorim não é essencial para esse sistema táctico.

«Há uma pequena confusão se pensam que precisamos de Ruben Amorim para jogar assim. No Valência tinha Ângulo, Vicente, Silva, e jogava assim na mesma. Se jogava com Ruben Amorim ali, é porque o rendimento dele era superior aos alas. Se Di Maria, Reyes e Balboa estivessem acima, jogavam eles», explica Quique.

O técnico encarnado comentou ainda a parca utilização de Nuno Gomes ao longo da presente temporada. «Nuno Gomes nunca saiu das convocatórias, teve sempre a nossa confiança, foi sempre convocado. Temos outros avançados, incluindo Dí Maria que também pode jogar no centro do ataque. Temos tido outras opções, mas o Nuno Gomes é dos poucos jogadores que pode ser útil tanto estando no onze como vindo do banco de suplentes, pelo rendimento que apresenta quando entra», remata.