Se considerarmos os últimos vinte anos das duas grandes competições, Mundiais e Europeus, e uniformizando as classificações com os valores actuais, a três pontos por vitória, só por uma vez Portugal conseguiu qualificar-se para uma fase final com média inferior a 2,1.

Curiosamente, num prenúncio das dificuldades agora enfrentadas por Carlos Queiroz, isso aconteceu no último Campeonato da Europa, quando a equipa orientada por Scolari terminou com média de 1,93, a pior dos 14 apurados para Áustria e Suíça. E, tal como acontece agora, nessa longa caminhada Portugal não conseguiu uma única vitória frente aos adversários directos, que no caso eram Polónia, Finlândia e Sérvia.

Na altura, foi o suficiente para o segundo lugar, que há dois anos valia o passaporte directo. Desta vez, não é assim: só os melhores oito seguem em frente, para discutir as quatro últimas vagas.

De resto, exceptuando essa qualificação para o Euro-2008, nunca uma selecção portuguesa se apurou para uma fase final perdendo nove pontos ou mais.

Registo de Portugal em qualificações para Campeonatos do Mundo

1990 (eliminado como 3º no grupo)

Pontos perdidos: 10 (8 j)

Média final: 1,75

1994 (eliminado como 3º no grupo)

Pontos perdidos: 10 (10 j)

Média final: 2,00

1998 (eliminado como 3º no grupo)

Pontos perdidos: 11 (10 j)

Média final: 1,9

2002 (apurado como vencedor do grupo)

Pontos perdidos: 6 (10 j)

Média: 2,4

2006 (apurado como vencedor do grupo)

Pontos perdidos: 6 (12 j)

Média: 2,5

2010

Pontos perdidos: 9 (em 5 jogos)

Média actual: 1,2

Melhor média possível, 2,1

Registo de Portugal nas qualificações para Campeonatos da Europa

1988 (eliminado como 3º no grupo)

Pontos perdidos: 14 (8 j)

Média final: 1,25

1992 (eliminado como 2º no grupo)

Pontos perdidos: 8 (8 j)

Média final: 2,00

1996 (apurado como vencedor do grupo)

Pontos perdidos: 7 (10 j)

Média final: 2,3

2000 (apurado como 2º no grupo)

Pontos perdidos: 7 (10 j)

Média final: 2,3

2008 (apurado como 2º do grupo)

Pontos perdidos: 15 (14 j)

Média final: 1,93