Paulo Bento tem um mérito evidente: descomplica. O seleccionador nacional, percebe-se, não tem ambições de ser genial, quer apenas ser competente. Na estreia pela selecção nacional tornou o futebol simples, Portugal não foi genial, é verdade, mas foi competente. Ganhou, ganhou bem, ganhou com segurança.

Ora ganhar com segurança, nesta altura, é também uma virtude. Que remete para o início da crónica: a capacidade que Paulo Bento tem de descomplicar. O seleccionador não precisa de laterais altos ou de trincos bons no jogo aéreo: prefere jogadores que saibam jogar à bola. As vantagens são indesmentíveis.

A colocação de Raul Meireles a trinco, por exemplo, trouxe benefícios óbvios na circulação de bola, na capacidade de inventar linhas de passe, na qualidade de jogo nacional. No passado recente era impossível imaginar Raul Meireles a trinco ou João Pereira a lateral-direito frente a uma selecção nórdica.

Confira a ficha de jogo e as notas dos jogadores

Porque os adversários são altos, porque fazem cruzamentos, porque têm um futebol físico. Tudo razões aceitáveis claro, mas que partem de um mau princípio: complicam o que é fácil. Complicam o futebol. Paulo Bento descomplicou, os jogadores sentiram-se confortáveis e impuseram a natural superioridade.

Os primeiros minutos foram aliás sintomáticos: Portugal entrou no jogo cheio de pressa de acertar contas com o passado recente. Muito forte na pressão e agressivo na procura da bola. Parecia uma selecção furiosa. Pode ter muito de efeito psicológico pela troca no banco, claro que sim, mas também tem muito de carinho.

Destaques: a genialidade de Nani e a perfeição de Moutinho

No fundo também era isso que lhe faltava: carinho. Sentir-se valorizada, jogar mais em função dela e menos em função do adversário. Os primeiros minutos serviram por isso para mostrar um projecto mais nobre de Portugal. Um projecto que os dois golos de Nani no espaço de um minuto tranquilizaram e valorizaram.

Quando passou a vencer por dois golos à meia-hora de jogo a fúria deu lugar à arte. Nessa altura evidenciou-se o futebol de João Moutinho, a inteligência de Raul Meireles, o remate de Ronaldo, a velocidade de João Pereira e o atrevimento de Fábio Coentrão. Portugal apresentou um bom futebol e várias ocasiões de golo.

Paulo Bento: «Queremos conquistar o público»

Empolgou o público e empolgou-se. Só lhe faltou marcar. Perante um adversário que só rematou uma vez à baliza, a Selecção teve oportunidades para construir um resultado mais justo. Não o fez, é verdade, voltou a pecar na finalização (há vícios que demoram tempo a curar) e acabou por sofrer durante cinco minutos: cinco.

Sofreu quando a Dinamarca reduziu a dez minutos do fim, num autogolo de Ricardo Carvalho, e relançou o jogo. Numa altura em que tinha apenas realizado dois remates perigosos. Portugal não se amedrontou desta vez e voltou a marcar por Ronaldo. Muito justamente, de resto. O Dragão não merecia sofrer.

De resto, tudo bem: esta selecção já começa a vender-nos ilusões.