Um momento de polémica e dois grandes golos deram empate entre Sporting e Marítimo. A equipa de Paulo Bento nem se pode queixar de falta de apoio, mas o ânimo dado pelos adeptos e a entrega dos jogadores não foram suficientes para regressar às vitórias, diante de um Marítimo que soube responder à altura.
Os «leões» ficam com razões de queixa da arbitragem, é certo, mas também não souberam rentabilizar a vantagem dada por Matías Fernandez. Passam a ser assim 14 pontos perdidos em nove jornadas, e o sétimo lugar na tabela classificativa.
Entrada de «leão» e um adversário que não se fica
Estavam anunciadas manifestações (e houve um pequeno protesto antes do jogo, no exterior do estádio), mas ao subir ao relvado a equipa do Sporting só encontrou apoio. André Marques, Pereirinha e Postiga foram as novidades de um «onze» que, quiçá embalado pelos aplausos, entrou forte no jogo.
Os jogadores leoninos sabiam que o tempo corria contra eles, e por isso tentaram marcar cedo. Só que pela frente estava um adversário difícil. O Marítimo não se «encolheu» com o ímpeto inicial do Sporting e respondeu sempre, tirando proveito de uma frente de ataque rápida e endiabrada. Perante esta atitude de ambas as equipas, os minutos iniciais do encontro foram frenéticos, com lances de perigo junto de ambas as balizas. Liedson sondou o golo por duas vezes, logo aos 7 minutos, mas Baba, Djalma e Manú também assustaram o público de Alvalade. Rui Patrício, que até esteve em dúvida para este encontro, esteve à altura.
Infelizmente, a fase de parada-e-resposta só durou quinze minutos. A partir daí o jogo acalmou um pouco, pois o Marítimo percebeu que aquele ritmo não lhe era benéfico. A equipa de Van der Gaag colocou algum «gelo» no jogo, para aumentar a segurança defensiva, e continuou a ameaçar o contra-ataque, embora sem definir muito bem a concretização das jogadas.
Polémica e...grandes golos
A segunda parte começa praticamente com o lance polémico da partida. O árbitro Cosme Machado entende que Fernando comete falta sobre Hélder Postiga no exterior da área, mas terá ficado por marcar uma grande penalidade.
Quatro minutos depois o Sporting chegou à vantagem. Um grande golo de Matías Fernandez, que surgiu na área pela direita e encheu o pé. O chileno marcou pela segunda jornada consecutiva.
A resposta foi apresentada no mesmo nível, ou até elevando ainda mais a fasquia. Manú fez o empate oito minutos depois (54), com um espantoso remate de fora da área. Simplesmente indefensável.
De novo em igualdade, Paulo Bento colocou a equipa em 4x3x3, com Pedro Silva e Caicedo a substituírem Abel e Pereirinha. O Marítimo começou a preocupar-se mais com a manutenção do empate, e o Sporting apostou tudo no ataque. Daniel Carriço dispôs de duas soberanas ocasiões para marcar, mas em ambas as ocasiões (69 e 77m) o cabeceamento saiu por cima.
O jogo termina com um lance capaz de provocar um ataque cardíaco a qualquer adepto leonino. Caicedo apareceu isolado após uma falha de Fernando, mas acertou no poste!
Se no início do jogo o público esteve ao lado da equipa, o apito final devolveu a contestação.