O Sporting arrancou uma vitória esforçada em Leiria (2-1), a terceira de 2010 e a quarta consecutiva, com Carlos Carvalhal a igualar a melhor série de Paulo Bento e a dar um passo seguro rumo às meias-finais da Taça da Liga. Num relvado carregado de areia, para absorver a muita chuva que caiu ao longo do dia, os leões adaptaram-se melhor, ganharam vantagem, ampliaram-na, mas acabaram a tremer depois do Leiria reduzir para a diferença mínima.
Confira a ficha de jogo
Carlos Carvalhal, como tinha anunciado, apostou no seu melhor onze, ainda sem Liedson e Pongolle, mas com o regresso de Miguel Veloso, para um jogo que se antevia de paciência, tendo em conta as difíceis condições do terreno. Os primeiros minutos não foram fáceis, com a bola a mudar facilmente de dono, numa faixa reduzida da zona central do terreno onde se concentraram muitos jogadores. O primeiro remate foi do ex-leão Ronny, de muito longe, sem problemas para Patrício, mas foram os leões que se adaptaram melhor ao relvado, com um futebol curto que lhes permitiu, finalmente, evoluir no terreno e chegar à área.
Foi, assim, de pé para pé, numa jogada de insistência, que surgiu o primeiro golo, aos dezasseis, minutos, com Hélder Godinho a devolver um primeiro remate de Izmailov para a cabeça de João Pereira que só teve de encostar. O Leiria reagiu por impulso e esteve muito perto de marcar na sequência de um cruzamento de Ronny, mas Tiago Luiz falhou a cabeçada e, na recarga de Cássio, Carriço salvou sobre a linha de golo. Lito Vidigal tinha pedido a Ronny para subir, recuando Pateiro, uma vez que era o ex-leão que mostrava ter maior tracção para evoluir no areal do Dr. Magalhães Pessoa.
A reacção do Leiria diluiu-se, no entanto, perante o jogo mais sereno do Sporting que conseguia ter mais posse de bola e voltava a aproximar-se da área de Godinho. Depois de um curta interrupção, provocada por cinco painéis publicitários que, empurrados pelo vento, invadiram o relvado, o Sporting ampliou a vantagem: Miguel Veloso, ao seu melhor estilo, na marcação de um livre directo, atirou a contar, contando com um caprichoso desvio em Tiago Luís para enganar Godinho.
O Sporting controlou o jogo até ao intervalo diante de uma Leiria que revelava dificuldades crescentes em sair a jogar. Lito Vidigal tentou oferecer nova dinâmica no início da segunda parte, trocando Tiago Luís por Carlão, mas foram os leões que voltaram a entrar «mandões» com a conquista e três pontapés de canto consecutivos. O jogo estava, agora, mais aberto e, na sequência de um cruzamento largo de Paulo Vinicius, Cássio quase reduziu com uma cabeçada junto ao segundo poste. Vidigal arriscou mais com a entrada de Silas, em detrimento do insonso Elias, mas Carvalhal também abria as suas linhas, com Vuk a render Miguel Veloso.
Carlão reanima jogo
Quando parecia que o jogo já tinha dado o que tinha a dar, Carlão voltou a incendiar os ânimos, reduzindo para a diferença mínima com um remate cruzado quando ainda havia vinte minutos para se jogar. O leão tremeu e o Leiria, embalado com a boa entrada de Silas, cresceu. O jogo ganhou subitamente velocidade, Yannick Djaló esteve perto de marcar (grande defesa de Godinho), Silas também, Vukcevic apareceu, mas o resultado não voltou a sofrer alterações, apesar de uma última tentativa de Saleiro de calcanhar.
O Sporting soma, assim, o segundo triunfo que lhe deixa as meias-finais da Taça da Liga, pela terceira temporada consecutiva, à distância de um ponto, enquanto o Leiria, com apenas um empate, diz adeus à competição.