«O Espinho celebra 100 anos a 11 de novembro e o jogo [inicialmente marcado para o dia 23] acontece no mês do centenário do clube, pelo que este confronto é um prémio para toda a gente. Para o clube, em especial, mas também será uma montra para os jogadores e uma oportunidade para estes se valorizarem», disse Calica à agência Lusa.

O jovem técnico, de 38 anos, confidenciou, entretanto, que os responsáveis do clube estão a trabalhar numa solução alternativa ao «velhinho» estádio do clube, visando uma melhor acomodação de espetadores afetos às duas equipas, e deixou claro que, independentemente do local do jogo, o Sporting não terá a vida facilitada.

«Nós só temos a ganhar. A pressão está toda do lado do Sporting e o passado da competição diz-nos que tudo é possível na festa da Taça», sublinhou.

Calica já defrontou o Sporting na Taça de Portugal em duas ocasiões, ambas como jogador, na primeira das quais foi suplente não utilizado na final do Jamor em 2001/02, pelo Leixões, então na II Divisão B (derrota por 1-0, com um golo de Jardel).

Mais tarde, em 2007/08, foi eliminado nos oitavos de final ao serviço do União de Paredes, num jogo em Alvalade em que a formação secundária só perdeu nos descontos, através de uma grande penalidade convertida por João Moutinho, atualmente nos franceses do Mónaco, depois de ter estado em vantagem no encontro. «Espero que à terceira, seja de vez», desabafou Calica, em tom de brincadeira.

O Sporting de Espinho ocupa atualmente a 10.ª e última posição da Série C do CNS, recebe o Sporting na quarta eliminatória da Taça de Portugal, num jogo marcado para 23 de novembro, mas que poderá ser antecipado, uma vez que os leões jogam na semana seguinte para a Liga dos Campeões.